Igreja Doméstica: a catequese do dia a dia

por Redação
Igreja Doméstica

O princípio da nossa Igreja, como sabemos, foi dado em casa, nas residências dos primeiros seguidores. Devido às perseguições dos primeiros cristãos, o culto e a catequese aconteciam “escondidos” nesses locais. A Igreja era familiar, era doméstica, e acontecia no dia a dia dos lares.

Com o desenvolvimento e crescimento da Igreja e suas conquistas, os templos e toda organização hierárquica que conhecemos foi constituída. Contudo, a família parou de celebrar em seu lar o que era primordial: a oração, a fração do pão, a partilha e a leitura da Palavra.

 

Catequeses 2025

 

O QUE DIZEM OS DOCUMENTOS DA IGREJA?

Com a preocupação dos padres e poderes religiosos, a Igreja volta-se às famílias para que regressem ao amor primeiro e pede para que a fé habite primeiro nos lares, que os pais sejam os primeiros educadores da fé, fazendo assim da família e do lar uma Igreja Doméstica.

Termo usado no Concílio Vaticano II, quando os padres conciliares redigiram a Constituição Dogmática Lumen Gentium: “Na família, como numa Igreja Doméstica, devem os pais, pela palavra e pelo exemplo, ser para os filhos os primeiros arautos da fé e favorecer a vocação própria de cada um, especialmente a vocação sagrada” (LG, n. 11).

Leia mais:
Missão de coordenar e a graça de sinodalizar
Catequistas: mestres, discípulos e mistagogos da fé

É a família o “patrimônio da humanidade” (LG, n. 11). É na família que nós cristãos devemos aprender o início de nossa educação na fé, as primeiras orações, o amor à Palavra de Deus e a caridade. Os pais ou responsáveis devem ser os primeiros a dar o exemplo e incentivar as crianças e jovens a prática da fé.

A família é o berço de onde provém a educação social, moral, civil e religiosa. É no cotidiano que se formam bons cidadãos e bons cristãos. É pela Igreja Doméstica que a sociedade se transforma e se forma para um mundo melhor. Como nos diz a Constituição Pastoral Gaudium et Spes: “Desta maneira, a família constitui o fundamento da sociedade” (GS, n. 52).

AMORIS LAETITIA

O Papa Francisco, em uma mensagem no ano de 2021 sobre a Exortação Apostólica Pós-sinodal Amoris Laetitia, nos disse:

“A família é ‘Igreja Doméstica’, lugar onde a presença sacramental de Cristo atua entre os cônjuges e entre os pais e os filhos. Nesse sentido, ‘o amor vivido em família é uma força permanente para a vida da Igreja’, constantemente enriquecida pela vida de todas as Igrejas Domésticas. Portanto, em virtude do Sacramento do Matrimônio, toda a família se torna, para todos os efeitos, um bem para a Igreja” (Mensagem para o Fórum “Em que ponto estamos com a Amoris Laetitia? Estratégias para a aplicação da exortação apostólica do Papa Francisco” do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida – 9 a 12 de junho de 2021).

Quem não se lembra de uma música que a avó cantava, um rádio ligado na hora do terço, a TV ligada bem cedo para participar de uma Missa, além das orações e novenas em casa, na época de Natal ou por alguma ocasião. Bandeiras do Divino, procissões, práticas quaresmais como o jejum e a penitência, encontros bíblicos. Todos esses momentos são símbolos de fé e práticas cristãs que devem e precisam ser ensinadas e alimentadas na Igreja Doméstica. 

O jovem e a criança que chegam à catequese devem carregar muitos ensinamentos vindos das experiências e práticas da Igreja Doméstica da qual participa. Aos catequistas fica a missão de orientar na fé, enamorar o catequizando pela Igreja e por Jesus, dar os ensinamentos mais profundos bíblicos e da fé.

Leia mais:
Especial Mês do Catequista 2023 inicia com live, confira programação

CATEQUESE E IGREJA DOMÉSTICA

Cabe à catequese auxiliar os pais nesse desenvolvimento da Igreja Doméstica, mostrando caminhos e meios para que possam ser verdadeiros educadores da fé. Momentos de oração familiar, roteiros celebrativos, dinâmicas, altares e orações diárias, vão edificar a Igreja Doméstica e fazer deles uma boa família.

No dia a dia, da oração inicial do dia, das orações antes das refeições, até a leitura de trechos bíblicos à noite, montagem de altares com a imagem de Nossa Senhora, de Jesus, dos santos, vão construindo bons momentos para a família. 

Nós, catequistas, ajudemos, com empenho, a formar crianças e jovens de fé que tenham a consciência da importância da oração familiar. Ajudemos as famílias a se edificarem nesse processo de se tornar uma grande Igreja Doméstica. Não desanimemos nesse processo.

Precisamos estar atentos em disseminar o amor de Deus nos lares, como nos diz o Papa Francisco, cooperando “de forma fecunda no cuidado e na proteção das ‘Igrejas Domésticas’” que irão “construir as famílias do amanhã”.

Douglas dos Santos Reis Rocha – Formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade Anhanguera de Taubaté (SP), em Filosofia pela Universidade Salesiana de Lorena (SP) e pós-graduado em Marketing e Negócios pela UNIFATEA. Catequista e leigo engajado em pastorais.

Você também pode gostar

1 comentário

Leda Maria Dias Costa 19 de agosto de 2023 - 06:35

Bela mensagem.
Foi bem interessante esse conteúdo.

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito Saiba Mais

Abrir conversa
Tem dúvidas sobre o Catequistas Brasil?
Olá, meu nome é Fabio! Como posso te ajudar?

Adblock Detectado

Desative a extensão AdBlock de seu navegador para uma melhor experiência em nosso site.