Com o coração de Pedro e os pés de Paulo

por Tráfego
pedro e paulo

“Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo” Mt 16,16).

A confissão de fé de Pedro tem no centro a vida. O Pai, Criador e Providente, vê e ouve, desce e liberta (cf. Ex 3,7-8) seu povo, seus filhos e filhas.

“O Senhor me encheu de forças” (2Tm 4,17).

É o testamento de fé de Paulo para seu afilhado Timóteo e toda a comunidade que receberia mensagem posteriormente a sua morte, recordando que Deus é bom, corrige seus eleitos, toma cada pessoa pela mão e ensina a andar por caminhos novos (cf. Os 11,3).

Pedro era pescador e Paulo fabricava tendas. Jesus aproximou-se de Pedro e o chamou nas margens do mar, entre seus sócios. Jesus revelou-se a Paulo durante sua viagem a Damasco, junto com os homens que o acompanhavam para prender os seguidores do Caminho.

Pedro e Paulo, cada um a seu modo, e cada qual no seu tempo, aprenderam a ter fé. Entenderam que Jesus não é uma ideia, não é um código de regras, mas é uma pessoa. Pedro e Paulo tiveram seu encontro com Jesus. E este encontro mudou suas vidas.

Em que momento ou situação a nossa vida foi mudada por conta do encontro pessoal com Jesus Cristo?

Nós também temos algo de Pedro em nós. E temos também aspectos de Paulo. Com ajuda da Igreja, da história da humanidade e dos estudos que fazemos, somos chamados e chamadas a permanecer unidos na fé em Jesus Cristo, tendo como testemunhas a comunidade dos Apóstolos.

Leia também:
Por uma Catequese Sinodal: aprender com Maria e Isabel
Como cativar novas lideranças para fortalecer a missão na Pastoral da Catequese

Creio na Igreja apostólica

O livro de Atos dos Apóstolos é a garantia de que a Comunidade-Igreja germinou do ensino e da transmissão da fé dos Apóstolos (At, 2,42). Quando professamos nas ações litúrgicas a fé em Deus Uno e Trino, somos admitidos e estamos nos incluindo na mesma fé da comunidade dos primeiros seguidores de Jesus.

Crer na Igreja apostólica é um ato de memória e de continuidade.

Memória porque exige aceitar e agir conforme fora a experiência dos apóstolos com a pessoa de Jesus. Não é possível aceitar Jesus apenas como uma ideia ou um modelo ideal de vida. Aceita-se Jesus assumindo o compromisso com a sua proposta que é a concretização do Reino de Deus, onde a justiça se realiza e a paz surge como fruto. Onde o amor é a lei suprema e a fraternidade (enxergar todas as pessoas como irmãs) é a consequência lógica e imediata.

É continuidade porque a sociedade humana evolui e, em todas as épocas e lugares, é preciso reavivar o ardor e o compromisso com Jesus Cristo, crucificado-ressuscitado. Hoje, somos nós que devemos continuar, com o coração humilde de Pedro e os pés missionários de Paulo, a apontar e corrigir as situações onde o Reino de Deus ainda precisa ser conhecido, promovido e edificado.

Unidade e Missão

Pedro e Paulo são testemunhas reais de que o Evangelho exige unidade. Um fato curioso e histórico está registrado também em Atos dos Apóstolos (At 15.1-29), o Concílio de Jerusalém.

Naquele evento, Pedro e Paulo tinham opiniões diferentes. Mas na vida de Igreja a opinião não conta como decisão. A comunidade é construída pelo diálogo, pela escuta, pela acolhida de propostas. E por fim, pela decisão em comum, em conjunto, para dizer, em concílio.

Estes meses de caminho sinodal que a Igreja vive no mundo inteiro tem ensinado uma nova postura: a escuta.

Pela primeira vez na história, a Igreja está ouvindo todos os fiéis e todas as pessoas de boa vontade, com o desejo de avaliar sua missão de Evangelizar.

E isso nos ensina que Pedro e Paulo nos ensinam muito em nossos dias. O Concílio de Jerusalém exigiu o testemunho de unidade. Pedro e Paulo chegaram juntos ao entendimento de que a fé em Jesus Cristo é o centro. E não as suas opiniões isoladas.

Surge aqui, uma figura muito cara para a vida comunitária, o apóstolo Tiago. Ele é ponte, é promotor da unidade. Garante que as opiniões sejam expostas, mas que prevaleça o testemunho de unidade.

Catequeses 2023

 

Agora é questão de escolha!

Com Pedro e Paulo, e também Tiago, sigamos firmes na missão em nossas comunidades.

Somos herdeiros da fé que estes homens, e também as mulheres, transmitiram às gerações. Aprendemos que não nós somos chamados a nos configurar a Jesus Cristo, e dar testemunho de seu mandamento novo e de aceitar a cruz.

Não existe um Messias feito à nossa imagem. Mas, somos regenerados no Batismo para que a nossa mesquinhez, nosso egoísmo e nossa teimosia, sejam apagados e transformados em solidariedade, partilha e bem-comum.

Com o sucessor de Pedro, na escola missionária de Paulo, queremos formar comunidade e assumir o projeto de que o Reino de Deus é para todas as pessoas. Todas! Ainda que isso exija a alegria de ser fiel até a cruz.

Ariél Philippi Machado – (Catequista na Arquidiocese de Florianópolis (SC), membro da Rede Lumen de Catequese, Teólogo e Especialista em Catequese – Iniciação à Vida Cristã)

Você também pode gostar

1 comentário

Catequese: identificando as passagens bíblicas - Catequistas Brasil 6 de julho de 2022 - 14:54

[…] também: Com o coração de Pedro e os pés de Paulo A espiritualidade do catequistas na vivência da pedagogia do […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?

    omg