A fé não tira férias: pensar a catequese e o lúdico

por Tráfego

A história da catequese na vida da Igreja já teve influência de inúmeros contextos. Brevemente, podemos citar: 1) a catequese de iniciação à fé, no período apostólico e patrístico; 2) a catequese de imersão, caracterizada pela cristandade, no período da Idade Média; 3) a catequese pela via da doutrina e da memorização, no período após o Concílio de Trento e da Modernidade; 4) a catequese de modelo escolar, com o desenvolvimento das diversas ciências pedagógicas e sociais; 5) e em nossos dias, a catequese de inspiração catecumenal, com a revisão e reorganização da transmissão da fé por meio do paradigma da iniciação à vida cristã.

As reflexões mais recentes sobre a catequética e da catequese a serviço da evangelização, defendem que o ato catequético não pode ser aula ou atividade de mero aprendizado doutrinal, mas sim, uma experiência concreta de encontro com Jesus Cristo e adesão sincera à sua mensagem de salvação.

Nesta caminhada progressiva de reflexão e propostas de pedagogias para a catequese alcançar seu objetivo de “ajudar os homens a crerem que Jesus é o Filho de Deus, educá-los e instruí-los nesta vida, e assim construir o Corpo de Cristo” (CIgC, n. 4), a catequese tem o desafio de ser espaço de alegria, de encantamento, de mística e experiência com a pessoa de Jesus Cristo.

E a experiência de fé não tem data e local programados para acontecer. E, por isso mesmo, é preciso investir em propostas criativas para que as atividades da catequese, e o planejamento delas, superem o calendário escolar e estejam presentes no cotidiano das pessoas, envolvendo-as em todas as situações e dimensões.

Catequeses 2023

 

Apostar na criatividade de novos métodos na catequese

O Diretório para a Catequese, promulgado em março de 2020, defende a pluralidade de métodos na catequese: “A Igreja, ao manter viva a primazia da graça, sente com responsabilidade e sincero cuidado educacional a atenção aos processos catequéticos e ao método. A catequese não tem um método único, mas está aberta a valorizar diferentes métodos, relacionando-os com a pedagogia e a didática, e permitindo-se guiar pelo Evangelho necessário para reconhecer a verdade do ser humano” (DC, n. 195).

Durante os períodos de festas, recessos e férias, é preciso ter atenção àquelas práticas essenciais da vida de fé, para que não sejam influenciadas pelo sintoma do “merecido descanso” e da famosa desculpa das “férias merecidas”.

É bom lembrar que a preguiça é um dos pecados capitais, quando nos deixamos levar pela falta de empenho e negligência dos deveres da vida cristã, por exemplo, a oração pessoal, a celebração dominical, dentre outros.

Por outro lado, as férias e os períodos de descanso são marcados por reuniões familiares, encontros de amigos, momentos festivos que nos marcam e nos educam para a arte de celebrar e cultivar boas companhias. A recordação de fatos e a partilha de experiência são valores necessários para a nossa cultura imersa no fenômeno digital.

Por esse motivo, afirma também o Diretório, “A Igreja é chamada a abrir-se, com o correto senso crítico, também à arte contemporânea, “incluindo aquelas modalidades não convencionais de beleza que podem ser pouco significativas para os evangelizadores, mas tornaram-se particularmente atraentes para os outros” (DC, n. 212).

Por isso, acolhendo os sinais dos tempos, diante da atração das novas gerações pelo fenômeno da convivialidade, de atividades colaborativas e da necessidade de sentido durante a realização de algumas atividades, trazemos o diálogo pertinente sobre a proposta de atividades lúdicas, por exemplo, os jogos em equipe e de tabuleiro, para serem reconfigurados com o conteúdo da catequese e aplicados com as famílias em seus períodos de férias e descanso.

Leia também:
Catequese-Liturgia: duas faces do mesmo mistério 
Catequese para adultos: o anúncio da fé e a missão da Igreja

É brincando que se aprende

Por meio do brincar é que se desenvolvem as mais importantes habilidades, já na infância. Filhotes de leões brincam para aprender a caçar, num ambiente seguro e controlado. Crianças brincam de amarelinha enquanto desenvolvem coordenação motora e equilíbrio, jogam queimada enquanto desenvolvem trabalho em equipe e, brincando de desenho e pintura, vão preparando suas pequenas mãos para a atividade da escrita.

Não é à toa, portanto, que o lúdico é tão presente na vida das crianças e adolescentes: nas brincadeiras da infância; nos jogos de computador, celular e videogame; e também nos esportes.

Nos últimos anos, também têm voltado à cena os jogos de tabuleiro. Muito populares até os anos 80, foram deixados um pouco de lado com o advento dos jogos digitais. Agora, num mundo tomado por telas, os jogos de tabuleiro foram modernizados e voltam com força total, com cada vez mais pessoas buscando uma diversão “analógica”, recolhendo os benefícios de interação social e conexão humana que estes tipos de jogos oferecem.

Quem também tem aproveitado este fenômeno são as escolas. Na busca pelas “metodologias ativas de aprendizagem”, têm utilizado jogos de tabuleiro e de cartas como instrumento de engajamento dos estudantes no processo de aprendizagem, buscando superar os limites da educação tradicional.

O lúdico na catequese

Há muito tempo o lúdico é utilizado na dinamização de encontros de catequese, seja por meio de dinâmicas de grupo, seja por meio de atividades lúdicas como caça-palavras e desenhos bíblicos para colorir.

Nesse sentido, vêm surgindo iniciativas de desenvolvimento de jogos de tabuleiro específicos para a realidade da catequese. Pensados como ferramentas pedagógicas, estes jogos têm o potencial de enriquecer o processo de iniciação à vida cristã.

Uma das principais vantagens das atividades lúdicas é trazer o/a catequizando/a para o centro da atividade catequética, sendo protagonistas no processo de educação na fé. Assim, fica muito mais fácil conhecer e encantar-se pela história e mensagem de Jesus Cristo.

Os cuidados na escolha das ferramentas lúdicas

Contudo, é preciso estar atento na escolha e aplicação de atividades lúdicas, de modo a garantir que se atinja os objetivos do processo pedagógico proposto na catequese.

É importante sempre ter em mente que os jogos e demais atividades são ferramentas para dinamizar e enriquecer o processo, e não um fim em si mesmos. Dessa forma, devem estar integrados ao que se propõe trabalhar em cada encontro.

Nesse sentido, é essencial a figura do mediador (em geral, o catequista): aquele que fará a ligação entre o que foi vivenciado por meio do lúdico com tema central do encontro de catequese. Quanto melhor for feita essa mediação, maior será o sucesso da atividade lúdica em contribuir com os objetivos do encontro.

Quando pensamos em jogos para a catequese, é importante que sejam pensados de forma a contribuir no caminho de aprendizagem, em vez de serem apenas utilizados como avaliação do conhecimento prévio. Como os catequizandos estão em processo de conhecer a história de Jesus e a vida da Igreja, fica o desafio para que os jogos ajudem a tornar esse processo divertido e interessante.

Sobre os autores:

Rodrigo da Silva Soares é Catequista na Diocese de Joaçaba (SC), Especialista em Juventude, Religião e Cidadania e desenvolvedor de jogos de tabuleiro para catequese.

Ariél Philippi Machado é Catequista na Arquidiocese de Florianópolis (SC), membro da Rede Lumen de Catequese, Teólogo e Especialista em Catequese – Iniciação à Vida Cristã.

Você também pode gostar

1 comentário

A comunhão espiritual e o desejo de unidade da fé - Catequistas Brasil 12 de julho de 2022 - 08:25

[…] também: A fé não tira férias: pensar a catequese e o lúdico Catequese: identificando as passagens […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?

    omg