A comunhão espiritual e o desejo de unidade da fé

por Tráfego
comunhão espiritual

A Pandemia da COVID-19 chegou inesperadamente, nos surpreendeu, rompeu com as nossas rotinas, desestabilizou as nossas seguranças, retirou-nos do conforto de dominar nossas escolhas mais simples, como de visitar pessoas conhecidas, reunir amigos e colegas de profissão e tantas outras atividades que dependiam do encontro de pessoas.

A dinâmica da fé e do contexto celebrativo também passou por transformações. A pandemia obrigou a Igreja, clérigos, agentes de pastoral, catequistas e lideranças, a aprenderem a manusear as ferramentas de tecnologia para a grande aventura de cultivar os laços da fé por meio das ondas da internet. Em inúmeras plataformas digitais e diante de uma inflação de informações simultâneas fomos desafiados a filtrar os conteúdos relativos à vivência coerente da fé cristã católica.

Diante da necessidade do isolamento preventivo à COVID-19, aprendemos a olhar o brilho que existe nos olhos das pessoas, quando o sorriso já estava oculto pelas máscaras. Descobrimos, mesmo que na dor, o quanto estamos interligados, conectados por diferentes fatores. A pandemia nos ensinou uma vez mais que somos criados para as relações humanas, estamos entrelaçados pela fraternidade a partir do dom da vida.

Estamos vivendo dias em que esperança cristã reacende a certeza de que o Senhor permanece conosco, caminha conosco (Lc 24,13-35). Fazendo uso das tecnologias digitais a Igreja se inseriu no cotidiano doméstico de forma inusitada e também preocupante. Foram os primeiros gestos de sair ao encontro das pessoas em meio à crise e o sofrimento.

O ambiente da virtualidade para sustentar a fé disparou um alerta. No âmbito das celebrações eucarísticas, percebemos o retorno da expressão “comunhão espiritual”, que desencadeia a necessidade da salutar compreensão do sacramento da Eucaristia, evitando o risco de um retorno acentuado para o devocionismo eucarístico em detrimento da teologia sacramental elaborada ao longo da história da Igreja.

Catequeses 2023

 

As transmissões on line da missa foi um recurso encontrado para o momento preventivo do contágio do novo coronavírus, uma experiência eficaz, mas que impossibilitou a participação comunitária no momento ritual da Eucaristia, enquanto espaço real, corporal e presencial, de participação “ativa” como pediu o Concílio Vaticano II, por meio da Constituição dogmática Sacrossanctum Concilium:

É desejo ardente da mãe Igreja que todos os fiéis cheguem àquela plena, consciente e ativa participação na celebração litúrgica que a própria natureza da liturgia exige e à qual o povo cristão, raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido, tem direito e obrigação, por força do batismo (SC n. 14).[1]

Por participação ativa entendemos que “quem ama, faz sempre comunidade, nunca está sozinho” (Santa Teresa de Jesus). A virtualidade colocou em xeque a “participação ativa” dos fiéis, provocando a oscilação entre a presencialidade, como condição essencial da participação litúrgica, e o retorno do vivido no período pré-conciliar.

Leia também:
A fé não tira férias: pensar a catequese e o lúdico
Catequese: identificando as passagens bíblicas

A comunhão sacramental e o vínculo comunitário da fé

O contexto da pandemia reforçou o legado bíblico de que a vida deve ser sempre a nossa primeira e única escolha (Dt 31,19). Cuidar da vida é um dever, manter a chama da fé acesa e alimentá-la é uma atitude de consciência pessoal e comunitária. E diante disso, buscou-se alternativas para que famílias e comunidades mantivessem o hábito de realizar suas orações, mantendo o vínculo da fé, mediante a novidade das plataformas digitais.

Aos poucos, por meio das redes sociais, muitas ideias criativas surgiram no intuito de conectar as pessoas, desde seus ambientes domésticos, com toda a comunidade por ora em caráter virtual. O fator determinante desta conexão foi a presença e a centralidade da Palavra de Deus. Um legado da pandemia para a fé cristã é a aproximação das famílias com a Bíblia.

A experiência de fé se concretiza pelos sinais e elementos que ajudam a compreender o que está oculto nos gestos e ritos. Por meio do batismo, ato sacramental que insere e torna membro da Igreja, todos os fiéis participam ativamente dos atos litúrgicos, e não apenas acompanham (assistem) como se nada lhes dissesse a respeito.

Assim como o banho batismal regenera e congrega o corpo místico de Cristo, o ato de comer e de beber juntos é próprio da experiência de fé cristã. Portanto, a nova situação social trazida pela pandemia não pode nos tornar simples expectadores do ato eucarístico, uma vez que cada fiel é chamado a participar ativamente nas celebrações, ou seja, é motivado a escutar e a acolher a Palavra de Deus proclamada; impelido a responder com fé às verdades de Cristo e da Igreja; convidado a comungar das espécies do pão e do vinho.

Comer e beber juntos é um ato de relevância para a comunidade cristã. O alimento é fonte de vida: sem ele sucumbimos. Todos os povos com maior ou menor ênfase, em todas as épocas vivenciaram, vivenciam no ato de comer e beber juntos momentos de grande interação social.

A mesa é o lugar por excelência da reunião, tanto familiar como da comunidade de fé. A mesa aguça nossa memória, lembrando-nos da casa dos avós e dos tios, quando lá estava a mesa posta para a refeição: toalha bonita, a melhor que se tinha, comidas e bebidas que faziam nossos olhos brilhar e a boca salivar pelos gostos e sabores das comidas.

Também as Sagradas Escrituras revelam as sutilezas do sentar-se à mesa. No rito da Páscoa do Antigo Testamento está prescrito: “E amanhã, quando teu filho de perguntar: “O que significa isso?”, tu lhe responderás: “Com mão forte o Senhor nos tirou do Egito, da escravidão.” (Ex 13,14). Portanto, sentar-se à mesa para a partilha do pão é também um ato de alimentar a fé, recordar a ação de Deus em favor do povo. E alimentar com o pão material o mistério da fé invisível.

Comungar do pão é alimentar-se da fé do povo de Deus, com suas lutas e suas conquistas, suas dúvidas e também certezas da presença de Deus ao longo da história. A comunhão sacramental, portanto, é um ato presencial, único, pessoal. Mas será sempre uma comum união da fé pessoal que se sustenta na fé eclesial.

O ambiente da virtualidade para sustentar a fé disparou um alerta. No âmbito das celebrações eucarísticas, percebemos o retorno da expressão “comunhão espiritual”, que desencadeia a necessidade da salutar compreensão do sacramento da Eucaristia, evitando o risco de um retorno acentuado para o devocionismo eucarístico em detrimento da teologia sacramental elaborada ao longo da história da Igreja.

As transmissões on line da missa foi um recurso encontrado para o momento preventivo do contágio do novo coronavírus, uma experiência eficaz, mas que impossibilitou a participação comunitária no momento ritual da Eucaristia, enquanto espaço real, corporal e presencial, de participação “ativa” como pediu o Concílio Vaticano II, por meio da Constituição dogmática Sacrossanctum Concilium:

É desejo ardente da mãe Igreja que todos os fiéis cheguem àquela plena, consciente e ativa participação na celebração litúrgica que a própria natureza da liturgia exige e à qual o povo cristão, raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido, tem direito e obrigação, por força do batismo (SC n. 14).[1]

Por participação ativa entendemos que “quem ama, faz sempre comunidade, nunca está sozinho” (Santa Teresa de Jesus). A virtualidade colocou em xeque a “participação ativa” dos fiéis, provocando a oscilação entre a presencialidade, como condição essencial da participação litúrgica, e o retorno do vivido no período pré-conciliar.

A comunhão sacramental e o vínculo comunitário da fé

O contexto da pandemia reforçou o legado bíblico de que a vida deve ser sempre a nossa primeira e única escolha (Dt 31,19). Cuidar da vida é um dever, manter a chama da fé acesa e alimentá-la é uma atitude de consciência pessoal e comunitária. E diante disso, buscou-se alternativas para que famílias e comunidades mantivessem o hábito de realizar suas orações, mantendo o vínculo da fé, mediante a novidade das plataformas digitais.

Aos poucos, por meio das redes sociais, muitas ideias criativas surgiram no intuito de conectar as pessoas, desde seus ambientes domésticos, com toda a comunidade por ora em caráter virtual. O fator determinante desta conexão foi a presença e a centralidade da Palavra de Deus. Um legado da pandemia para a fé cristã é a aproximação das famílias com a Bíblia.

A experiência de fé se concretiza pelos sinais e elementos que ajudam a compreender o que está oculto nos gestos e ritos. Por meio do batismo, ato sacramental que insere e torna membro da Igreja, todos os fiéis participam ativamente dos atos litúrgicos, e não apenas acompanham (assistem) como se nada lhes dissesse a respeito.

Assim como o banho batismal regenera e congrega o corpo místico de Cristo, o ato de comer e de beber juntos é próprio da experiência de fé cristã. Portanto, a nova situação social trazida pela pandemia não pode nos tornar simples expectadores do ato eucarístico, uma vez que cada fiel é chamado a participar ativamente nas celebrações, ou seja, é motivado a escutar e a acolher a Palavra de Deus proclamada; impelido a responder com fé às verdades de Cristo e da Igreja; convidado a comungar das espécies do pão e do vinho.

Comer e beber juntos é um ato de relevância para a comunidade cristã. O alimento é fonte de vida: sem ele sucumbimos. Todos os povos com maior ou menor ênfase, em todas as épocas vivenciaram, vivenciam no ato de comer e beber juntos momentos de grande interação social.

A mesa é o lugar por excelência da reunião, tanto familiar como da comunidade de fé. A mesa aguça nossa memória, lembrando-nos da casa dos avós e dos tios, quando lá estava a mesa posta para a refeição: toalha bonita, a melhor que se tinha, comidas e bebidas que faziam nossos olhos brilhar e a boca salivar pelos gostos e sabores das comidas.

Também as Sagradas Escrituras revelam as sutilezas do sentar-se à mesa. No rito da Páscoa do Antigo Testamento está prescrito: “E amanhã, quando teu filho de perguntar: “O que significa isso?”, tu lhe responderás: “Com mão forte o Senhor nos tirou do Egito, da escravidão.” (Ex 13,14). Portanto, sentar-se à mesa para a partilha do pão é também um ato de alimentar a fé, recordar a ação de Deus em favor do povo. E alimentar com o pão material o mistério da fé invisível.

Comungar do pão é alimentar-se da fé do povo de Deus, com suas lutas e suas conquistas, suas dúvidas e também certezas da presença de Deus ao longo da história. A comunhão sacramental, portanto, é um ato presencial, único, pessoal. Mas será sempre uma comum união da fé pessoal que se sustenta na fé eclesial.

O tema da comunhão espiritual no contexto da pandemia

O tema da comunhão espiritual dos fiéis para a Igreja não é algo novo. Não irrompeu com o a realidade social desvelada pela pandemia do novo coronavírus. Trata-se de uma realidade que também teve sua gênese histórica e ganhou reflexão durante o tempo. Portanto, a reflexão aqui proposta é mínima diante do legado teológico que a Igreja possui.

Sabemos que por um longo período da história a participação no mistério salvífico da fé, sobretudo na liturgia eucarística, esteve reservada aos ministros ordenados e aos monges. Diante desta reserva, o povo era mero espectador do ato litúrgico e sua participação neste ato tinha como foco apenas em ver as sagradas espécies e na sua veneração. O preceito eucarístico se cumpria pelo ver a hóstia e comungar espiritualmente.

A catequese deste ato se dava em orientar para o significado desta participação como espectadores: a consequência de uma comunhão visual e espiritual se desdobraria em uma vida de fé coerente e na prática da esmola e dos exercícios das obras de caridade.

O Catecismo da Igreja Católica (nº 737) ensina sobre a digna virtude humana de estar em comunhão com Deus, formando o corpo místico de Cristo, por obra do Espírito Santo. Nesta intimidade de relação e comunhão a pessoa humana alcança sua realização. E, pela fé da Igreja, isso se dá de forma concreta na pessoa de Jesus Cristo, que a nós se oferece na Eucaristia, sob a forma das espécies do pão e do vinho. Por meio da comunhão com o corpo e sangue de Cristo, humano e divino se encontram. Humanidade e divindade comungam entre si.

O desejo humano de participar da mesa da Eucaristia para receber o corpo do Senhor é um ato de fé. A impossibilidade real e concreta de acesso à mesa eucarística de maneira presencial, por orientação da Igreja, se dará de forma espiritual. Essa depende de uma predisposição do fiel de sentar-se à mesa, que o fará unir-se a Cristo e à sua Igreja com forte desejo de receber o Senhor como graça e dom. E recebendo-o dessa forma, assume o compromisso de formar comunhão com os irmãos e irmãs.

Uma das presenças do Senhor Jesus na liturgia é a assembleia reunida, para rezar e cantar, louvar e bendizer a Deus pelas obras que realiza (SC 7). A missa transmitida nestes tempos de pandemia, valida-se pela escuta da Palavra de Deus e, por orientação do Magistério da Igreja, como possibilidade de estar em comunhão com a comunidade, mesmo na impossibilidade de receber o sacramento da Eucaristia presencialmente. Mas esta modalidade de presença remota não cumpre o preceito do que seja de fato a participação plena numa celebração eucarística. Toda ação litúrgica pede a interação e proximidade do corpo, de gestos, dos sinais e dos elementos visíveis que comunicam e permitem nosso acesso ao mistério da fé invisível.

Referindo-se ao sentido comunitário da celebração litúrgica, o Papa Francisco ensinou o seguinte em sua homilia do dia 17 de abril de 2020:

Esta familiaridade dos cristãos com o Senhor é sempre comunitária. Sim, é íntima, pessoal, mas em comunidade. Uma familiaridade sem comunidade, sem Pão, sem Igreja, sem povo, sem sacramentos, é perigosa. Pode-se tornar uma familiaridade – digamos – gnóstica, uma familiaridade só para mim, desligada do povo de Deus. A familiaridade dos apóstolos com o Senhor foi sempre comunitária, sempre à mesa, um sinal da comunidade. Sempre com o Sacramento, com o Pão.[2]

O tema da comunhão espiritual desdobra-se em três aspectos pastorais que precisam avançar na reflexão: o necessário acesso à participação ativa dos fiéis na liturgia, uma compreensão insuficiente da vivência do Sacramento e a possível acomodação diante da vida comunitária.

A liturgia é vida, transcende o momento ritual. No encontro vivo e real com Jesus, pelo sacramento e pela Palavra, aprendemos que o sacerdócio é serviço, e alcança seu significado pleno no compromisso de fé com a comunidade, na defesa da vida e na fraternidade com os mais pobres, sinal excelso da comunhão.

 

Ariél Philippi Machado é catequista na Arquidiocese de Florianópolis (SC), membro da Rede Lumen de Catequese, Teólogo e Especialista em Catequese – Iniciação à Vida Cristã.

Tânia Regina Antunes de Souza é secretária da Comissão Regional de Liturgia do Regional Sul IV da CNBB, Historiadora e Especialista em Catequese – Iniciação à Vida Cristã.

[1] Disponível em: https://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19631204_sacrosanctum-concilium_po.html. Acesso em: 26 de outubro de 2021.

[2] Disponível em: https://www.vatican.va/content/francesco/pt/cotidie/2020/documents/papa-francesco-cotidie_20200417_lafamiliarita-conil-signore.html. Acesso em: 20 de outubro de 2021.

Você também pode gostar

1 comentário

Por uma catequese bíblica e de retorno às fontes da fé - Catequistas Brasil 3 de agosto de 2022 - 11:07

[…] Leia também: A espiritualidade do catequista na vivência da pedagogia do encontro A comunhão espiritual e o desejo de unidade da fé […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?

    omg