Trabalhe a comunicação para uma catequese mais dinâmica

 em Catequese, Catequistas Brasil
Compartilhe:

Elabore novas formas de comunicação para uma catequese mais dinâmica em sua comunidade

Recebi o desafio de escrever sobre linguagem e evangelização na catequese. É um desafio que não se vence com um artigo, mas com bons projetos. Aceitei não porque tenho respostas, mas porque tenho perguntas e, talvez, algumas possam ajudar a pensar melhor este tema.

 

Catequistas Brasil 2020 – desktop

 

Quando li o convite da Revista Paróquias lembrei imediatamente de uma pesquisa sobre Igreja Católica e Sociedade Civil, que coordenei por um tempo no Instituto de Teologia e Pastoral de Passo Fundo – ITEPA. Um dos itens recorrentes nas entrevistas coletivas – grupos focais – era: “os agentes de pastoral utilizam linguagem que não entendemos”. Isso apareceu entre médicos, jovens estudantes de diversas classes sociais e membros de comunidades católicas.

A constatação é um dos indícios de que nem sempre os destinatários das nossas mensagens entendem aquilo que dissemos exatamente de acordo com a intenção que tivemos ao dizê-lo. Isso acontece porque as pessoas interpretam as mensagens que recebem a partir dos conhecimentos e experiências que têm a respeito.

Leia mais:
Catequista, não desista!

Um exemplo muito simples

Quando digo Deus, estou me referindo ao sentido que esta palavra tem para mim. A pessoa que recebeu esta mensagem compreenderá de acordo com o sentido que Deus tem para ela. Quando pronunciada pela(o) catequista, a Palavra Deus vem acompanhada de quais sentidos? E quando ela for pronunciada por um catequizando? É provável que haja grandes diferenças entre os sentidos, mas de modo geral, isso não é levado em conta na ação catequética.

A linguagem diz respeito às diversas formas de comunicação entre as pessoas e aos sentidos que utilizamos para nos comunicarmos. No caso da evangelização, ocupa um lugar de destaque, visto que evangelizar é uma ação essencialmente comunicativa. Se falharmos na linguagem, falhamos na evangelização.

A linguagem está entre as características da nova evangelização, proposta por João Paulo II: novo ardor, nova linguagem, novo método. Mas isso não acontece sem uma profunda “conversão pessoal e pastoral” (DAp). Quais seriam as pistas para esta dupla e complementar conversão no que se refere à formação de agentes de evangelização na catequese?

3 pistas fundamentais para a formação dos agentes

 

1.Compreenda as novas gerações e as suas formas de linguagem

Há uma tendência de, rapidamente, considerarmos as novas gerações como desprovidas de valores. Creio que o ponto não é este. Há sim uma nova forma de viver e comunicar os valores. Trata-se, pois, de aprendermos a dialogar com as novas gerações e isso significa, primeiramente, compreendê-las por elas mesmas para, em seguida, ajudá-las a amadurecer na fé.

2.Atualize o anúncio da Boa Notícia para os tempos atuais

As mensagens que remetem à obediência cega precisam ser substituídas por aquelas que ajudam a fazer uma opção convicta de fé. As novas gerações compreendem e aderem mais facilmente quando convencidas, não quando obrigadas.

3.Mude a estrutura e a infraestrutura da catequese

O meio linguístico verbal – fala, exposição – deixa de ser o privilegiado para ser mais um. Deve-se buscar a diversidade de meios para comunicar a mensagem cristã. Devo destacar, aqui, que para as novas gerações, o entendimento racional acontece por meio da experiência. Em outras palavras, elas não se contentam mais com o “ouvir dizer”, querem experimentar. A infraestrutura de sala também deve ser reinventada, com incremento de outros ambientes de vivência prática e testemunhal que favoreçam a experiência da fé.

Leia mais:
Estão abertas as inscrições para o Catequistas Brasil 2020

 

Peregrinação Paulo Gil

 

Rodinei Balbinot é Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo, Graduado em Teologia Pastoral pelo Instituto de Teologia e Pastoral de Passo Fundo/RS, onde foi professor e diretor; Graduado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (FEBE). Atualmente é Diretor Geral da Linha de Sustentabilidade, Educação da Rede Santa Paulina. Pós-Graduando em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas.
Contato: rodineibalbinot@bol.com.br
Fonte: Revista Paróquias (edição 26)
Compartilhe:
Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Contato

Nenhum operador está disponível no momento, deixe sua mensagem e entraremos em contato.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt
Construa um programa de qualidade na catequeseElabore um projeto Pós-Crisma para trabalhar a permanência dos jovens na paróquia