Trabalhe a comunicação para uma catequese mais dinâmica

por Redação

Elabore novas formas de comunicação para uma catequese mais dinâmica em sua comunidade

Recebi o desafio de escrever sobre linguagem e evangelização na catequese. É um desafio que não se vence com um artigo, mas com bons projetos. Aceitei não porque tenho respostas, mas porque tenho perguntas e, talvez, algumas possam ajudar a pensar melhor este tema.

 

Diretório Catequese

 

Quando li o convite da Revista Paróquias lembrei imediatamente de uma pesquisa sobre Igreja Católica e Sociedade Civil, que coordenei por um tempo no Instituto de Teologia e Pastoral de Passo Fundo – ITEPA. Um dos itens recorrentes nas entrevistas coletivas – grupos focais – era: “os agentes de pastoral utilizam linguagem que não entendemos”. Isso apareceu entre médicos, jovens estudantes de diversas classes sociais e membros de comunidades católicas.

A constatação é um dos indícios de que nem sempre os destinatários das nossas mensagens entendem aquilo que dissemos exatamente de acordo com a intenção que tivemos ao dizê-lo. Isso acontece porque as pessoas interpretam as mensagens que recebem a partir dos conhecimentos e experiências que têm a respeito.

Leia mais:
Catequista, não desista!

Um exemplo muito simples

Quando digo Deus, estou me referindo ao sentido que esta palavra tem para mim. A pessoa que recebeu esta mensagem compreenderá de acordo com o sentido que Deus tem para ela. Quando pronunciada pela(o) catequista, a Palavra Deus vem acompanhada de quais sentidos? E quando ela for pronunciada por um catequizando? É provável que haja grandes diferenças entre os sentidos, mas de modo geral, isso não é levado em conta na ação catequética.

A linguagem diz respeito às diversas formas de comunicação entre as pessoas e aos sentidos que utilizamos para nos comunicarmos. No caso da evangelização, ocupa um lugar de destaque, visto que evangelizar é uma ação essencialmente comunicativa. Se falharmos na linguagem, falhamos na evangelização.

A linguagem está entre as características da nova evangelização, proposta por João Paulo II: novo ardor, nova linguagem, novo método. Mas isso não acontece sem uma profunda “conversão pessoal e pastoral” (DAp). Quais seriam as pistas para esta dupla e complementar conversão no que se refere à formação de agentes de evangelização na catequese?

3 pistas fundamentais para a formação dos agentes

 

1.Compreenda as novas gerações e as suas formas de linguagem

Há uma tendência de, rapidamente, considerarmos as novas gerações como desprovidas de valores. Creio que o ponto não é este. Há sim uma nova forma de viver e comunicar os valores. Trata-se, pois, de aprendermos a dialogar com as novas gerações e isso significa, primeiramente, compreendê-las por elas mesmas para, em seguida, ajudá-las a amadurecer na fé.

2.Atualize o anúncio da Boa Notícia para os tempos atuais

As mensagens que remetem à obediência cega precisam ser substituídas por aquelas que ajudam a fazer uma opção convicta de fé. As novas gerações compreendem e aderem mais facilmente quando convencidas, não quando obrigadas.

3.Mude a estrutura e a infraestrutura da catequese

O meio linguístico verbal – fala, exposição – deixa de ser o privilegiado para ser mais um. Deve-se buscar a diversidade de meios para comunicar a mensagem cristã. Devo destacar, aqui, que para as novas gerações, o entendimento racional acontece por meio da experiência. Em outras palavras, elas não se contentam mais com o “ouvir dizer”, querem experimentar. A infraestrutura de sala também deve ser reinventada, com incremento de outros ambientes de vivência prática e testemunhal que favoreçam a experiência da fé.

Leia mais:
Estão abertas as inscrições para o Catequistas Brasil 2020

 

Peregrinação Paulo Gil Home

 

Rodinei Balbinot é Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo, Graduado em Teologia Pastoral pelo Instituto de Teologia e Pastoral de Passo Fundo/RS, onde foi professor e diretor; Graduado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (FEBE). Atualmente é Diretor Geral da Linha de Sustentabilidade, Educação da Rede Santa Paulina. Pós-Graduando em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas.
Contato: [email protected]
Fonte: Revista Paróquias (edição 26)

Você também pode gostar

2 comentários

Prepare-se bem para evangelizar melhor na catequese 9 de dezembro de 2019 - 17:37

[…] Leia mais: Trabalhe a comunicação para uma catequese mais dinâmica […]

Resposta
Dinâmica 7 Dons do Espírito Santo 29 de maio de 2020 - 14:53

[…] TRABALHE A COMUNICAÇÃO PARA UMA CATEQUESE MAIS DINÂMICA […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?

    omg