Natal: Transmitir a fé cristã é anunciar ao mundo a dignidade de vida

por Redação

Confira a reflexão de Ariél Philippi, um dos palestrantes confirmados para o Catequistas Brasil 2020

 

A Palavra de Deus é fonte primeira da catequese. Nestes tempos, em que muito se tem escrito sobre a Iniciação à Vida Cristã, não podemos perder de vista a fonte do conteúdo da fé que professamos, vivenciamos e anunciamos no dia a dia.

 

Diretório Catequese

 

A partir de uma tipologia e leitura catequética de algumas passagens bíblicas do Evangelho segundo Lucas, queremos refletir sobre o conteúdo primeiro que a catequese precisa se dedicar: a dignidade da vida.

No símbolo da árvore da vida, no meio paraíso, em Gênesis 2,9, até a árvore que cresce no meio da praça, em Apocalipse 22,2, temos concretizada a promessa de vida eterna que Deus Pai tem a oferecer para seus filhos e filhas. No símbolo da árvore da vida projeta-se a importância de promover a dignidade de todas as formas de vida, seja ela em família, na sociedade e com a natureza.

Leia mais: 
3 Dicas para o Auto de Natal

E assim, de tempos em tempos, perpassando as etapas do povo de Deus, vemos a humanidade conduzida por Patriarcas e Matriarcas, Juízes e Juízas, Profetas e Profetisas, na trilha de perceber, em meio às luzes e trevas, os caminhos possíveis para bem viver.

Eis que chega à nossa porta, em nossas agendas e reuniões, mais uma preparação para o Natal do Senhor, a festa da vida, festa da Encarnação. O céu visita a terra!

Neste sentido, queremos dialogar com o evangelista Lucas, para que nos ajude a preparar a chegada do Deus-Menino.

Olhando o primeiro capítulo do Evangelho segundo Lucas, encontramos contextos paradigmáticos para espelhar nossa ação pastoral e nossas atitudes de fé. Temos aí: a ação litúrgica de Zacarias de oferecer incenso; a oração do povo do lado de fora do santuário; a visita do anjo; a dúvida de Zacarias; o anúncio do nascimento de João Batista; a mudez de Zacarias; o nascimento de João Batista; o louvor de Zacarias.

E, em paralelo, encontramos: Maria no íntimo do lar; a visita do anjo; a acolhida sincera de Maria; o anúncio do nascimento de Jesus; a saída apressada de Maria; o encontro com Isabel; o louvor de Maria.

Com estas breves considerações, poderíamos nos perguntar: o que temos cantado como louvor ao Deus da vida, por tantas maravilhas e dádivas que ele nos concede? Quais as motivações que temos para cantar? Ou ainda, quais os medos que trazemos que nos impedem de gritar pela defesa da vida, deixando-nos mudos diante de tantas violências contra a vida humana e a vida do planeta?

Como está a nossa fé? Cantando as maravilhas do Senhor? Ou muda, escondida na mesmice da dor e da opressão?

A catequese que se coloca a serviço da Iniciação à Vida Cristã precisa estar disposta a revisitar os conceitos e dimensões da fé, com discernimento e a ousadia, para a ler os sinais dos tempos e, acreditando nas palavras do anjo, não ter medo de propor a fé cristã por meio do testemunho e da prática do Mandamento Novo.

A vida é festa, é dom, é graça! É de graça!

Outra característica do evangelista Lucas são as narrativas de festas, ritos, cânticos, as refeições nos lares, com a especial visita de Jesus de Nazaré. Exemplos destas visitas são a casa de Simão Pedro, a casa de Zaqueu e a casa de Marta e Maria.

Por onde passava, nas ruas, vilas e lares, Jesus levava consigo a salvação.

A Iniciação à Vida Cristã depende da catequese que saiba conduzir ao mistério festivo da vida. Ou seja, uma catequese litúrgica, vivencial, celebrativa, mistagógica. Cada conteúdo aprofundado pela catequese precisa ter significado para a vida, como suporte para a formação humana e espiritual das pessoas. Só assim, a liturgia, seus símbolos e ritos estarão mais próximos da realidade da vida das pessoas.

Do contrário, podemos cair na mesmice de preparar celebrações suntuosas, coloridas e bem conduzidas. Mas com a possibilidade de não conduzir ao centro do mistério da fé, que é o próprio Cristo, vivo e presente nos diferentes rostos que chegam à igreja para celebrar conosco.

Para esse impulso de mudança de mentalidade e descoberta de novos processos de transmissão da fé com novas atitudes, mas com o mesmo conteúdo central da fé, vamos observar melhor o capítulo primeiro de Lucas.

Temos aí, dois cenários para inspirar nossa ação pastoral e nosso testemunho de fé.

Leia mais:
Você sabia? A Igreja Católica é constituída por 24 Igrejas autônomas!

No primeiro deles temos:

  • a criatividade do anjo que invade por dentro o ofício comum e rotineiro do sacerdote Zacarias;
  • o Templo, enquanto casa da comunidade, é o lugar da fé comum do povo;
  • a necessidade de certezas da parte do sacerdote Zacarias: – Que garantias me dás disso?
  • a mudez de Zacarias que representa a paralisia e incredulidade diante da novidade de uma mensagem que trazia a vida onde apenas se esperava a morte.

No segundo temos:

  • a iniciativa do anjo de visitar Maria na intimidade e rotina do lar;
  • a casa é o lugar da transmissão da fé oficial mas com os sinais, gestos e símbolos próprios de cada família;
  • a atitude disponível de Maria ao ouvir a mensagem do anjo: – Como acontecerá isso?
  • a pressa em visitar Isabel que estava grávida, esperando uma nova vida, como fruto e consequência da Vida Nova que Maria carregava em si.

A catequese precisa estar à serviço da Vida Plena

Ousar acompanhar a fé de homens em mulheres em nossos dias é tomar consciência da urgência que é perceber, no hoje de nossas vidas, a presença e as maravilhas que o Senhor já faz por nós e, tendo aderido ao seu convite de seguimento, elevar a voz e cantar com quem nos precedeu na fé: Sim, o Senhor fez maravilhas em nosso favor (Sl 126/125).

Maria e Zacarias, cada um a seu tempo, por motivos que lhes são particulares, reconhecem a presença de Deus em suas vidas e cantam: O Senhor fez maravilhas.

Ele, Zacarias, contemplou a misericórdia de Deus que visitou o seu íntimo. Na casa de Zacarias e Isabel foi acolhida a mensagem da vida naquele que será o Precursor.

Ela, Maria, tendo recebido em sua casa aquele que é a Vida, agora o leva ao Templo envolto em faixas, para apresentar ao mundo a realização das promessas que o Criador fizera outrora ao povo fiel.

Urge reconhecer que o Senhor armou sua tenda e habita entre nós para acolher todos e todas que desejam promover e cuidar da vida.

 

Peregrinação Paulo Gil Home

 

Ariél Philippi Machado é Catequista na Arquidiocese de Florianópolis (SC), membro da Rede Lumen de Catequese, Teólogo e Especialista em Catequese – Iniciação à Vida Cristã e será um dos palestrantes que estará presente no evento Catequistas Brasil 2020.

 

Serviços:
Evento: Catequistas Brasil 2019
Local: Santuário Nacional de Aparecida, SP
Data: de 7 a 9 de fevereiro de 2020
Realização: Revista Paróquias – www.paroquias.com.br
Organização: Promocat Promotora Católicawww.promocat.com.br
Site: www.catequistasbrasil.com.br
Facebook: www.facebook.com/catequistasbrasil
Telefones: (12) 3311-0665 | (12) 99630-1989 (WhatsApp)

Você também pode gostar

1 comentário

Rosa zoppi 7 de janeiro de 2020 - 07:41

Seus textos são excelente ,como é bom ter pessoas que falam a mesma língua. A LINGUA DA FÉ. OBRIGADA POR COMPARTILHAR SEU CONHECIMENTO COM CATEQUISTAS LEIGOS .Um abençoado dia .

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?