A Liturgia das Horas e o seu significado

por Redação
A Liturgia das Horas e o seu significado

A Liturgia das Horas é uma rotina diária de oração realizada por fiéis e padres de todo o mundo

A Liturgia das Horas é uma forma de oração ritmada ao ciclo das horas canônicas: Ofício das leituras, Laudes, Hora Média, Vésperas e Completas. Ritmo é uma boa palavra para definir a postura de quem deseja criar o hábito de viver a Oração das Horas. A organização interna da oração nos dá um ritmo diário, um ritmo semanal, mensal e anual.

 

Catequese.online

 

Ritmo diário de oração

O ritmo diário é a própria divisão das horas canônicas, já o ritmo semanal é dividido em saltérios, que se dividem em quatro semanas, e tudo isso nos dá um ritmo mensal para a oração dos salmos e cânticos, tudo de acordo com o ritmo anual, que são os tempos litúrgicos: Advento, Natal, Tempo Comum, Quaresma e Páscoa.

Quem pode rezá-la?

Todos os fiéis podem rezar a Liturgia das Horas. Para Padres e religiosos de diversas congregações, a vivência da Oração as Horas é obrigatória. Essa forma de oração é um meio eficaz para a santificação do nosso dia.

Por causa do ativismo e da correria, na qual estamos inseridos, a oração da Liturgia das Horas se apresenta como um remédio que nos insere na escola da escuta, do silêncio, da reflexão e da meditação da Palavra de Deus por meio dos Salmos, Cânticos e textos bíblicos propostos.

Leia mais:
Como explicar o tempo do Advento na catequese

Os frutos da oração bem meditada

Na Audiência Geral do dia 7 de março de 2012, Papa emérito Bento XVI falou da dinâmica de palavra e silêncio, que caracteriza a oração de Jesus em toda a sua existência terrena, sobretudo, na cruz. Realidade que diz respeito também a nossa vida de oração. Segundo ele, podemos pensar tal realidade em duas direções.

A primeira, diz ele, é a que se refere ao acolhimento da Palavra de Deus. É necessário o silêncio interior e exterior para que tal palavra possa ser ouvida. E esse é um ponto particularmente difícil para nós no nosso tempo. Com efeito, é uma época na qual não se favorece o recolhimento. A impressão é de que as pessoas têm medo de se separar, mesmo por um instante, do rio de palavras e imagens que marcam e enchem os dias.

Por isso, afirmou o Papa na Exortação Verbum Domini, n. 66, recordei a necessidade de nos educarmos para o valor do silêncio: “redescobrir a centralidade da Palavra de Deus na vida da Igreja significa também redescobrir o sentido do recolhimento e da tranquilidade interior. A grande tradição patrística nos ensina que os mistérios de Cristo estão ligados ao silêncio, e só nele é que a Palavra pode encontrar morada em nós, como aconteceu em Maria, mulher inseparável da Palavra e do silêncio”.

Diretório Catequese

Os benefícios do silêncio durante a liturgia das horas

Este princípio que sem silêncio não se sente, não se ouve, não se recebe uma palavra, sobretudo, é válido para a oração pessoal, mas também para as nossas liturgias, facilitando uma escuta autêntica, e elas devem ser também ricas de momentos de silêncio e de acolhimento não verbal. É sempre válida a observação de Santo Agostinho: “Quando o Verbo de Deus cresce, as palavras do homem faltam” (cf. Sermo 288, 5: pl 38, 1307; Sermo 120, 2: pl 38, 677).

Os Evangelhos apresentam, com frequência, que, nas escolhas decisivas, Jesus se retira totalmente sozinho, num lugar afastado das multidões e dos próprios discípulos para rezar no silêncio e viver a sua relação filial com Deus. O silêncio é capaz de escavar um espaço interior no nosso íntimo, para ali fazer habitar Deus, para que a Sua Palavra permaneça em nós, a fim de que o amor por Ele se arraigue na nossa mente, no nosso coração, e anime a nossa vida. Portanto, a primeira direção é voltar a aprender o silêncio, a abertura para a escuta, que nos abre ao próximo e à Palavra de Deus.

Há, porém, uma segunda importante relação do silêncio com a oração, afirma o Papa Bento. Com efeito, não há apenas o nosso silêncio para nos dispor para a escuta da Palavra de Deus. Muitas vezes, na nossa oração, encontramo-nos diante do silêncio de Deus, experimentamos quase um sentido de abandono, parece-nos que Deus não ouve nem responde.

Leia mais:
Solenidade de Cristo Rei, a festa que marca o encerramento do Ano Litúrgico

O silêncio não é ausência

Esse silêncio de Deus, como aconteceu também para Jesus, não marca a Sua ausência. O cristão sabe bem que o Senhor está presente e escuta, mesmo na escuridão da dor, da rejeição e da solidão. Jesus garante aos discípulos e a cada um de nós: “Nas vossas orações, não sejais como os gentios, que usam vãs repetições, porque pensam que, por muito falarem, serão atendidos. Não façais como eles, porque o vosso Pai celeste sabe do que necessitais, antes que vós lho peçais” (Mt 6,7-8); um coração atento, silencioso e aberto é mais importante do que muitas palavras. Deus nos conhece no íntimo, mais do que nós mesmos. Ele nos ama, e saber disso deve ser suficiente.

Na Bíblia, a experiência de Jó é, particularmente, significativa a esse propósito. Em pouco tempo, esse homem perdeu tudo: familiares, bens, amigos e saúde. Até parece que, a atitude de Deus no que lhe refere é a de abandono, do silêncio total. E, no entanto, Jó, na sua relação com Deus, fala com Ele, clama ao Pai. Na sua oração, não obstante tudo, conserva intacta a sua fé e, no fim, descobre o valor da sua experiência e do silêncio de Deus. Assim, no final, dirigindo-se ao Criador, pôde concluir: “Eu tinha ouvido falar de Ti, mas agora são os meus olhos que te veem” (Jó 42,5); todos nós conhecemos Deus, quase só por ter ouvido falar d’Ele, e quanto mais abertos permanecemos ao Seu e ao nosso silêncio, tanto mais começaremos a conhecê-Lo realmente.

Leia mais:
Confissão pela internet é possível?

Essa confiança extrema, que se abre ao encontro profundo com Deus, amadureceu no silêncio. São Francisco Xavier rezava dizendo ao Senhor: “Eu amo-Te, não porque podeis me conceder o paraíso ou condenar-me ao inferno, mas porque Vós sois o meu Deus. Amo-vos, porque Vós sois Vós!”.

Assim, com essas direções colhidas dos ensinamentos do Papa, abramo-nos à experiência da Oração das Horas.

Por Padre Edison de Oliveira, membro da Comunidade Canção Nova

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?