Seja um catequista que transforma a comunidade!

por Redação

Prepare o catequista de forma que sua atuação seja transformadora na comunidade

Formar catequistas, segundo o espírito da catequese renovada, para uma ação transformadora de educação na caminhada da fé é bem mais do que ensinar elementos do conteúdo catequético ou teológico cristão. Muito menos é impor um conjunto de leis morais para serem observadas. No processo formativo, tanto dos catequistas quanto dos catequizandos, não se pode deixar de levar em conta a consciência de que é a Palavra de Deus que tem poder transformador e renovador, não a palavra do pároco ou do catequista. Isso implica em deixar que a Palavra transforme e forme a ambos: o formador e o formando.

 

Diretório Catequese

 

Palavra e ação de Deus se identificam

Partindo do princípio de que a Palavra de Deus e a sua ação se identificam – Deus fala e o que ele fala acontece -, deve-se saber que é necessário experienciar a força desta Palavra no acolhimento e na ação concreta onde ela é vivida. Os pastores e os catequistas, antes de tudo, hão de renovar sempre de novo esse processo em suas vidas; não apenas revisar as doutrinas que aprenderam, ou pior, esquematizá-las para um encontro.

Precisam continuamente se colocar na atitude do discípulo que é a de ouvir e seguir, acolher e se converter. Como segundo passo, estes que se colocam constantemente no discipulado, como tal, lançam a semente da Palavra em todos os terrenos. Não pode haver preconceito ou discriminação. O catequista precisa ter total liberdade para semear sem ser direcionado a estes ou aqueles, mas a todos.

Todos os terrenos são objeto da semeadura, pois não é a palavra do catequista que será anunciada; ela não tem força em si, mas a Palavra de Deus que é lançada sobre todos, ela é força de Deus, uma vez que Deus quer que todos sejam salvos. O catequista necessita evitar a tentação de achar que em alguns terrenos não vale a pena semear, uma vez que são áridos, pedregosos, ou infestados de ervas daninhas. Quem sabe, é lá que mais semente precisa ser semeada! Deve acreditar na qualidade da semente.

Leia mais:
Estão abertas as inscrições para o Catequistas Brasil 2020

Prepare o terreno para semear

A preparação do terreno no processo de semear, ou de catequizar, não deixa de ter importância, é grande. Porém, ao arar o campo, o catequista não pode se furtar da tarefa de se arar a si também. Arar-se e arar a terra onde a Palavra será lançada. Preparar o seu próprio terreno pode ser entendido como acolher sempre de novo a mensagem cristã de Deus que está conosco e que quer todos unidos. No ato de acolhida já está latente a conversão para a união.

Deixar que a força da Palavra de Deus frutifique em atitudes concretas que levem ao outro; para assim jogar a boa Semente sobre ele sem reservas. Arar o terreno do outro consiste, a partir dessa visão renovada, ajudá-lo a entender que ele é alvo do amor ilimitado de Deus, e que Deus o quer junto dele, não porque o mereça, ou porque tem alguém que o está pedindo, mas somente por amor gratuito. Anunciar essa Boa Notícia transforma e converte, pois ela é a própria Palavra de Deus que é ao mesmo tempo ação de Deus.

Conhecer e compreender

Na formação dos catequistas é muito importante o conhecimento da doutrina, da tradição da Igreja, dos métodos pedagógicos sempre em evolução. Também é importante levar em conta a psicologia e a situação concreta, a sociedade atual em que estão as crianças, os adolescentes e os adultos que são catequizados. Nada, no entanto, é tão importante que substitua o conhecimento vivo – a busca constante de viver – do amor de Deus revelado em Jesus Cristo, e que se experimenta na comunhão com todos que estão no mundo, cheio de coisas boas e também de coisas ruins. Esse conhecimento somente se adquire num processo contínuo. Adquire-se adquirindo. Vive-se buscando viver. É o compromisso livre em favor da vida.

Vida para si e vida para os outros. E, quando se fala do compromisso livre quer-se igualmente respeitar a liberdade do outro. O catequizando nunca pode ser dominado! Sendo assim, ele precisa ser respeitado na sua liberdade. O catequista bem formado, que conhece e sempre busca mais vida, saberá respeitar a livre abertura de seu catequizando. Apenas lança a semente, sabendo que ela é boa por ser a semente da Palavra de Deus; valoriza cada resposta que esse dá, sem impor nada.

Leia mais:
Encontre na pedagogia de Jesus a fonte inesgotável da sacralidade

Erros no trabalho pastoral

Talvez um grande erro no trabalho pastoral de nossos dias seja que quando o assunto é catequese, ainda se quer “preparar para” os sacramentos, ou mesmo, como ultimamente se diz, “para a vida”. Escondido por de trás desse “preparar para” pode estar uma falsa convicção: o catequista está preparado, o catequizando não!

Sendo assim, dando a devida importância para Palavra de Deus, como foi anunciada e vivida por Jesus de Nazaré, esse processo se transformará e se renovará e, quem sabe, poderá produzir frutos de conversão, não somente dos catequizandos, mas também dos catequistas, incluídos aqui também os párocos. Portanto, o catequista estará mais consciente do valor da Palavra, diminuindo a sua palavra; e o catequizando saberá acolher e valorizar uma experiência mais genuína da Palavra e da ação de Deus-amor em seu processo de vida, como resposta de fé livre.

5 orientações para a formação do catequista
  1. A prioridade em todo trabalho formativo, tanto do catequista quanto do catequizando, está sempre na consciência da força da Palavra de Deus;
  2. A Palavra e a ação de Deus se identificam. Sua Palavra é eficaz. O catequista não pode classificar as pessoas para catequizá-las. Precisa se dirigir, ou direcionar a todas.
  3. No processo da “preparação do terreno”, o catequista tenha consciência de que sempre de novo precisa se preparar. Isso se faz na conversão contínua que a Palavra nele provoca. Tenha também a preocupação de ajudar o catequizando a preparar seu terreno em vista da Semente que nele será semeada.
  4. Toda a formação está baseada na vivência concreta da Palavra que se traduz em busca contínua de comunhão. Experimentar Deus-amor no compromisso com a vida de todos.
  5. “Preparar para” consiste em “preparar-se”; “preparar-se” consiste, por sua vez, em ajudar o outro a “estar preparado”.

 

Peregrinação Paulo Gil Home

 

Pe. Mário Fernando Glaab é Mestre em Teologia Dogmática, membro da SOTER, Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em São Mateus do Sul/PR, Autor de várias obras, dentre elas: “Algumas considerações sobre os Sacramentos”, Editora Pão e Vinho, e “Pacto das Catacumbas – Algumas considerações no Jubileu do Concílio Vaticano II”.
Contato: marioglaab@yahoo.com.br

Você também pode gostar

2 comentários

Gilvanice Felix Melo 4 de outubro de 2019 - 15:32

Nossa!!!
Amei saber que terá este encontro de formação 🥰

Resposta
webmaster 4 de outubro de 2019 - 15:35

Aguardamos a sua presença, Gilvanice! ♥

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?