Quarta-feira de cinzas: um ciclo de fé que se renova a cada ano

por Redação
Quarta-feira de cinzas: um ciclo de fé que se renova a cada ano

Missa realizada na quarta-feira de cinzas marca início da quaresma e Campanha da Fraternidade

O primeiro dia da Quaresma é marcado no mundo todo pela Missa da quarta-feira de cinzas. Assim, todos os anos, católicos do mundo inteiro se preparam para receber a unção das cinzas na testa, que representa um sinal de renovação, fé e conversão dos fiéis em preparação para a Páscoa.

 

Diretório Catequese

 

Concedido uma vez por ano aos católicos, o rito é realizado por sacerdotes e também pelos ministros extraordinários da eucaristia. Com a imposição das mãos sobre a cabeça dos fiéis, são proferidas palavras que pedem a conversão, enquanto o sinal da santa Cruz é desenhado sob a testa dos cristãos. Geralmente a frase utilizada durante a unção é “convertei-vos e crede no Evangelho”.

As crenças e culturas da quarta-feira de cinzas

Em diferentes crenças e culturas, de lugares e épocas diferentes, as cinzas remetem a um estado de renovação. Como exemplo, pode-se citar a mitologia egípcia e grega, sob a perspectiva da famosa Fênix que ressurgi do pó, como ato de transformação em êxtase. Afinal, a palavra cinzas vem com o propósito de representar uma memória póstuma. Do mesmo modo, na crença católica, o rito de ser ungido por cinzas vem para simbolizar a conversão e o renascimento, necessários para se preparar para a ressurreição do Senhor. Como dizia em Gêneses, livro do Antigo Testamento, “tu és pó, e ao pó voltará” (3,19).

No Brasil, a celebração da quarta-feira de cinzas acontece sempre após ao carnaval, justamente pelo fato de que a partir desta data não é instruído que sejam realizadas festividades, por ser um período considerado como um luto, que mostra que é preciso reconhecer os pecados cometidos e mudar de vida. O catolicismo vê essa época como uma das mais importantes para realizar o ato de confissão e penitência.

A instrução para quem recebe as cinzas, após o ato, é de responder amém e entrar em oração e meditação. Lembrando sempre, que ao receber as cinzas o cristão reconheceu o quanto é fraco e que precisa da ajuda de Deus, que é um ser tão grande em vista de um ser humano tão pequeno. Na quarta-feira de cinzas, se reconhece a pequenez do indivíduo.

Leia mais:
O tempo Quaresmal se aproxima! Qual sua catequese?

A ligação entre a simbologia das cinzas e a Quaresma

A Quaresma, de acordo com o calendário litúrgico, é um período de conversão e espera. Assim como Jesus passou 40 dias no deserto, católicos são convidados a jejuarem, meditarem e converterem seus corações em preparação para a Semana Santa, período considerado o mais importante para a Igreja Católica Apostólica Romana.

Durante esse tempo, as celebrações são mais simplistas. Enfeites na igreja não são necessários e o “Aleluia” e o “Glória”(hinos de louvor) não são cantados até o sábado de Aleluia. É um tempo litúrgico de humildade. Tempo de reconhecimento dos pecados, em que a cor dessa época é marcada pelo roxo, que reflete a penitência e a dor da aproximação da crucificação de Jesus Cristo.

Em vista disso, as cinzas são aplicadas no primeiro dia da Quaresma para representarem o espirito desse tempo. Como citado no Evangelho de Mateus, ”Não fostes capazes de vigiar comigo por uma hora? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação, pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca’ (26,40-41).

De onde vem as cinzas?

Como um ciclo anual, os ritos do período da Quaresma estão ligados uns aos outros e se renovam a cada ano. As cinzas utilizadas na missa, são originárias das folhas das palmeiras utilizadas na procissão do Domingo de Ramos do ano anterior. A ocasião, marca o primeiro dia da Semana Santa e está relacionado à entrada triunfal de Jesus em Jerusalém contada em quatro evangelhos da Bíblia Sagrada, pertencentes ao Novo Testamento.

Após serem utilizados, os ramos são guardados e queimados até que de fato, virem cinzas. O vínculo entre esse gesto e a prefiguração da Páscoa é grande, onde todos são chamados a morrer dentro de si, para logo ressuscitar com Cristo. Também comprova que o calendário litúrgico de é um ciclo de fé que se renova a cada ano.

Quaresma e a Campanha da Fraternidade

A partir da quarta-feira de cinzas, muito se fala sobre a Campanha da Fraternidade. Tal fator se dá, pelo fato de que ela é lançada justamente, em conjunto com o começo da quaresma. Sendo assim, a ação é lançada anualmente e a cada 5 anos é feita de forma ecumênica (com participações externas).

A Campanha da Fraternidade é realizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Possui o objetivo de nesta época, em especial, promover a solidariedade, centrando-se nas escrituras dos evangelhos. Por meio dela, a igreja procura conscientizar as pessoas acerca das obras realizadas pelas instituições católicas e a responsabilidade que a religião tem de contribuir para uma sociedade mais justa.

Sempre visando por uma evangelização por amor e que- como o próprio nome já diz- busca educar de forma fraterna, a campanha teve seu início em 1961, quando alguns padres tentaram arrecadar fundos para ajudar a realizar atividades que promoviam a assistência de quem dela necessitava. Com o tempo a Campanha que começou pequena, se tornou grande e reconhecida. Até que teve uma estruturação formada em conjunto com o Concílio Vaticano II e lançada pela primeira vez de forma oficial em 1964.

Temas que refletem a realidade social

Desde então, a campanha da CNBB é responsável por incentivar a abordagem de temas e discussão de soluções que precisam ser realizadas para contribuir para uma sociedade mais justa e igualitária. Entre os temas abordados pode-se citar a fome, politica, segurança e igualdade. Os lemas mais recentes abordaram políticas públicas e a compaixão com as pessoas.

Sendo assim, como forma de promover uma participação maior dos fiéis na campanha e trazer uma maior proximidade, no começo de 2020 a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil lançou um aplicativo e um novo website para difundir melhor as informações da ação tomar uma maior amplitude.

No aplicativo por exemplo, o usuário pode enviar vídeos, imagens e textos. Já no novo site, os fiéis são informados diariamente sobre notícias relacionadas a campanha e as ações promovidas por ela.

Por Redação Catequistas Brasil

 

Peregrinação Paulo Gil Home

Você também pode gostar

2 comentários

A Campanha da Fraternidade e o seu importante papel social – Catequistas Brasil 21 de fevereiro de 2020 - 16:15

[…] Leia mais: Quarta-feira de cinzas: um ciclo de fé que se renova a cada ano […]

Resposta
Quaresma 2020: estamos vivenciando o verdadeiro significado de conversão 24 de março de 2020 - 13:30

[…] Liturgia Diária 2020 e seu Calendário Litúrgico Ofício de Nossa Senhora, saiba como rezar Quarta-feira de cinzas: um ciclo de fé que… Três dinâmicas para o primeiro dia de catequese… Cláudia Rodrigues recebe Primeira […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?