Pistas para cultivar e atrair os jovens em sua paróquia

por Redação

Os catequistas da Crisma trabalhando para atrair os jovens da comunidade

Em um discurso aos jovens no Estádio do Pacaembu-SP, em maio de 2007, o Papa Bento XVI pediu deles maior compromisso e atuação na Igreja, dentro dos mais diversos espaços de ação. É certo que os jovens acolhem isso com carinho, mas a Igreja precisa orientá-los para viverem essa ação.

 

Diretório Catequese

 

Começando a Conversa

Sempre encontramos párocos preocupados com a permanência na Igreja de jovens e adolescentes que recebem o crisma. É comum desaparecem logo após receber tal sacramento. Um bom número deles só volta para casar, outros desaparecem para sempre. E assim, a maioria torna-se “católicos do IBGE”. Muito se tem refletido sobre isso e como fazer para que atuem de modo prático e concreto na Igreja. Exatamente no momento que deveriam viver melhor seu batismo, acabam ficando fora da Igreja.

As Contrariedades

Vozes da catequese e pastorais dizem que jovem é assim mesmo: “Some, mas quando sentir que é hora e momento volta”; ou: “Adolescência e juventude não merece muito crédito, pois nem sempre fazem as coisas certas”; alguns ainda comentam: “Lugar do jovem é com aqueles que são iguais a ele, que fique nos grupos de jovens e somente.” Estigmas sempre evidenciados aos jovens. Concordamos que os grupos de jovens ajudam muito, mas não são e nem devem ser o único meio do jovem ingressar na ação eclesial.

Leia mais:
Estão abertas as inscrições para o Catequistas Brasil 2020

Os Desafios

São tantas possibilidades que o mundo oferece ao jovem. A televisão prende a atenção de maneira inacreditável. Horas a fio em frente à “telinha” sem perceber o tempo passar. O computador, nem se fala! Diante dele o tempo corre como um furacão. Urge deixar de lado a ilusão que jovem tem de descobrir tudo sozinho. Precisamos enfrentar os desafios.

3 passos para enfrentar os desafios

1º utilize a criatividade

O jovem é capaz e pode ajudar muito. Cada paróquia tem sua pastoral e os elementos que a especificam. É preciso ser criativo para que a pastoral seja um lugar de acolhimento. Para isso, é preciso convidá-lo a participar dela.

2º procure engajar o jovem

Isso parece estranho, mas muitos coordenadores de pastorais têm dificuldades em aceitar o jovem nesse processo. Afinal de contas, são idéias e questionamentos novos. A paróquia precisa viver essa reestruturação. Nos primeiros anos haverá dificuldades, mas com o tempo o processo acontece.

3º “Arrisque-se” a entrar no processo

É certo que em alguns anos haverá renovação paroquial e das lideranças. Coisas que não se pensava aparecerão, como: visão maior de conjunto. Se o processo for bem realizado virá a desacomodação, e a Igreja dará muitos passos.

Leia mais:
Confira 3 dicas de jogos para usar nos encontros da catequese

A Possibilidade

Há, neste grande Brasil, párocos que corajosamente se “arriscam” e ajudam os crismandos a bem viverem sua prática da fé. Há paróquias que, ainda no processo de catequese, os convidam a atuarem como auxiliares na catequese, missionários do dizimo, equipes de canto, liturgia, pastoral da criança, vicentinos-mirins, dentre outros. O segredo é ter coragem de convidá-los para atuarem no que se identifiquem, motivar os que já participam e inserir os que ainda estão fora, fazendo da Igreja uma célula viva, renovada e acolhedora.

 

Peregrinação Paulo Gil Home

 

Pe. Gelson Luiz Mikuszka, C.Ss.R é Missionário Redentorista da Província Redentorista de Campo Grande Curitiba/PR. Contato: pegelson@hotmail.com

Fonte: Revista Paróquias

Você também pode gostar

1 comentário

Maria Iracema silva 18 de setembro de 2019 - 15:21

Muito interessante as motivações

Resposta

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?