Catequista: vocacionado para uma catequese discipular

por Redação
catequese discipular

Catequista: vocacionado para uma catequese discipular

Ide, pois, e fazei discípulos todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-os a observar tudo o que vos mandei. Eis que estou convosco todos os dias até o fim dos tempos” (Mt 28, 19)

Vocacionado para uma catequese discipular

Falar do catequista a partir da Vocação é acentuar a beleza da Vocação do SER CATEQUISTA. Ser catequista é um chamado, uma vocação e não tarefa e/ou função. Jesus, antes de retornar ao Pai, delega à comunidade dos discípulos uma missão: formar novos discípulos, batizar, transmitir os seus ensinamentos e confiar na sua presença que edifica o ministério a serviço do evangelho e da vida.

Por isso, o catequista é chamado, é vocacionado para um serviço eclesial. Trata-se de uma vocação radicada no seu batismo, com uma específica atuação em nome e em prol da comunidade eclesial.

Leia mais:
Terceira live foi apresentada no especial “Mês do Catequista”
Série “A música na catequese”

O catequista desempenha o ministério como uma vocação discipular. Como missão recebida do próprio Deus, para conduzir as pessoas ao encontro de Jesus Cristo e a inserção na comunidade. É também um dom que se recebe e se comunica como uma experiência alegre, que se irradia no testemunho e na transmissão da fé. Catequese e discipulado estão intimamente ligados. A catequese forma para o discipulado missionário. O catequista é vocacionado à catequese discipular.

A vocação específica do catequista, portanto, tem sua raiz na vocação comum do povo de Deus, chamado a servir o desígnio salvífico de Deus em favor da humanidade.

O Papa Francisco, no Diretório para a Catequese (números de 110-113), afirma que em virtude da fé e da unção batismal na colaboração com o Magistério de Cristo e como servo da ação do Espirito Santo, catequista é:

  • Testemunha da fé e guardião da memória de Deus: experimentando a bondade e a verdade do Evangelho em seu encontro com a pessoa de Jesus, o catequista custodia, alimenta e testemunha a vida nova que dele vem e se torna sinal para os outros. A fé contém a memória da história de Deus com as gerações humanas. Guardar essa memória, despertá-la nos outros e colocá-la a serviço do anúncio é a vocação específica do catequista. O testemunho da vida é necessário para a credibilidade da missão.
  • Mestre e Mistagogo: o catequista como Mestre e Mistagogo, tem dupla missão: transmitir o conteúdo da fé e conduzir ao mistério da mesma fé. O catequista é chamado a se abrir à verdade sobre a pessoa humana e sobre a sua vocação última, comunicando o conhecimento de Cristo e, ao mesmo tempo, introduzindo às várias dimensões da vida cristã, revelando os mistérios da salvação contidos no depósito da fé e atualizados na liturgia da Igreja.
  • Acompanhador e educador daqueles que lhe são confiados pela Igreja: o catequista é um perito da arte do acompanhamento. Tem competências educativas, sabe escutar e entrar nas dinâmicas do amadurecimento humano, torna-se companheiro de viagem! Com paciência e senso de gradualidade, na docilidade à ação do Espírito, em processo de formação. Ajudando os irmãos a amadurecer na vida cristã e caminhar em direção a Deus. O catequista, especialista em humanidade, conhece as alegrias e as esperanças de cada pessoa, suas tristezas e angústias (GS, n. 1) e sabe colocá-las em relação com o Evangelho de Jesus

Leia mais:
Bispos do Brasil podem validar subsídio sobre Ministério de Catequista
Feliz é a família que confia em Deus

A fé cristã nasce com uma abertura missionária discipular. A catequese, desde o início da Igreja, é considerada uma de suas tarefas iniciáticas prioritárias. O catequista é um iniciado na fé cristã e recebe, da Igreja, o mandato missionário de formar novos missionários de Jesus Cristo. Não há missão sem iniciação. Igualmente, não há comunidade cristã que não seja missionária.

O Papa Francisco, nas suas catequeses, sublinha que o Catequista é o ministro da Palavra. O homem e a mulher do querigma. No conjunto dos ministérios e serviços, a Igreja cumpre sua missão evangelizadora, onde o ministério da catequese ocupa um lugar significativo, indispensável para o crescimento da fé. Esse ministério introduz à fé e, juntamente com o ministério litúrgico, gera os filhos de Deus no seio da Igreja. A vocação específica do catequista, portanto, tem sua raiz na vocação comum do povo de Deus, chamado a servir o desígnio salvífico de Deus em favor da humanidade.

Um dos grandes desafios da Vocação e Missão do catequista, que é destinado à catequese discipular, no mundo atual, é compreender a catequese como Vocação, um modo próprio de SER e ESTAR num mundo, fazendo a diferença no testemunho de uma fé viva e da pertença a uma comunidade discipular.

 

Ir. Maria Aparecida Barboza, ICM – Conselheira Geral da Animação Missionária na Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, Mestra em Teologia Bíblica, especialista em pedagogia-catequética, doutoranda em Teologia na PUC-RS, membro do grupo de reflexão Bíblico-Catquética (GREBICAT) da CNBB e coordenadora da Iniciação à Vida Cristã na Arquidiocese de Porto Alegre (RS). Tem experiência na área de Teologia, Bíblia, Catequese e Pastoral. Área de atuação: Bíblia, Catequese, Iniciação à Vida Cristã e Comunidade.

 

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito Saiba Mais

Abrir conversa
Tem dúvidas sobre o Catequistas Brasil?
Olá, meu nome é Fabio! Como posso te ajudar?

Adblock Detectado

Desative a extensão AdBlock de seu navegador para uma melhor experiência em nosso site.