A relação entre a história dos Papas e da Igreja Católica

por Redação
A relação entre a história dos Papas e da Igreja Católica

A história dos Papas se confunde, de certa forma, com a história da Igreja, pois, desde São Pedro até o Papa Francisco, os fatos relevantes da vida da Igreja tiveram alguma relação com o Papa

De acordo como o Cân. 332 § 1, do Código de Direito Canônico:

“O Romano Pontífice obtém o poder pleno e supremo na Igreja pela eleição legítima por ele aceita, junto com a consagração episcopal”. E de acordo com Cânon 332 §2, ele pode renunciar livremente o pontificado, como fizeram São Ponciano (235); São Celestino V (1294); Gregório XII (1415) e Bento XVI (2013). O Papa tem plenos poderes no campo executivo, legislativo e judiciário; a Igreja não é uma democracia (governo do povo), mas é guiada e assistida pelo Espírito Santo (cf. Jo 14,15.25; 16,12-13).

A eleição do Papa é realizada pelo Conclave (com chave), em regime de absoluto isolamento do mundo. O Papa deve ser eleito com, ao menos, 2/3 dos votos dos cardeais, podendo ser apenas por maioria simples se demorar muito para ser eleito após várias votações.

 

Catequese.online

 

Conheça a linha sucessória dos Papas da nossa Igreja

A reconstrução da linha sucessória dos Papas data do século II e deve-se, respectivamente, aos escritores Hegesipo (151-166), judeu, e S. Irineu (177-178). Ambos foram a Roma para consultar diretamente as fontes da história. A Igreja sabe o nome, a nacionalidade e o tempo de pontificado de cada um dos Papas.

Tivemos 211 Papas italianos; 15 franceses, 14 gregos, 6 sírios, 8 alemães, 3 africanos, 3 espanhóis, 2 iugoslavos, 1 português, 1 palestino, 1 inglês, 1 holandês, 1 polonês e 1 argentino.

Quando um cardeal é eleito Papa, muda de nome. Os nomes mais comuns são: João (21), Gregório (16), Bento (14), Clemente (14), Inocêncio e Leão (13). Entre a morte de Clemente IV (1268) e a indicação de Gregório X (1271) decorreu o mais longo “período eleitoral”.

Até o pontificado de São Felix IV (526-530), quase todos os Papas foram declarados santos, sendo muitos mártires. Na queda do Império Romano, em 476, era Papa São Simplício. Ao todo, a Igreja já teve cerca de 266 Papas; alguns se destacaram profundamente e tiveram longo pontificado como Pio XI (32 anos); João Paulo II (27 anos); Leão XIII (25 anos); Pio VI (24 anos); Pio VII (23 anos). Outros tiveram pontificado de poucos dias: Estevão (3 dias); Bonifácio VI (10 dias); Urbano VII (15 dias ).

Dois Papas receberam o título de Magno, Grande: São Leão Magno (†460), que enfrentou os bárbaros em Roma, especialmente Atila, rei dos hunos; e São Gregório Magno (†604), que trabalhou muito na conversão dos bárbaros.

O Concílio Vaticano I (1870), junto com o Papa Pio IX, proclamou como dogma de fé que o Papa é infalível quando proclama um dogma de fé, como fizeram, por exemplo, Pio IX a proclamar o dogma da Imaculada Conceição de Nossa Senhora (1870), e Pio XII, que proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora ao céu de corpo e alma (1950).

Leia mais:
Por que fazer jejum na quaresma?

Quem é figura papal?

O Papa usa vestes brancas para se diferenciar dos demais bispos. Ele é soberano do Estado do Vaticano, que passou a existir, oficialmente, no tempo do pai do imperador Carlos Magno (†814), Pepino, o Breve. Chegou a ter 40.000 km2, e hoje tem apenas 0,44 km2, depois que foi invadido e tomado pela República italiana chefiada por Victor Emanuel II.

O Papa tem um corpo diplomático e seu principal colaborador o Secretário de Estado. Ele é o bispo de Roma. O título de Papa começou a ser usado em 325, com o Concílio de Niceia. Das organizações do tempo do Império Romano, o Papado foi a única que sobreviveu, pois a Igreja já tinha, até então, 47 Papas, muitos monges e mosteiros. Estava no pontificado o Papa São Simplício (468-483).

O Vaticano é um Estado da Cidade do Vaticano, com seus 0,44 quilômetros quadrados de superfície, o menor e o menos populoso país do mundo, e que se encontra dentro da cidade de Roma, Itália, separado com cerca de 4 quilômetros de fronteira. Esse Estado atual foi oficializado com o “Pacto de Latrão”, firmado entre a Igreja e o governo italiano, por intermédio de Benito Mussolini, em 11 de fevereiro (1929), durante o pontificado de Pio XI, pondo fim à chamada “Questão Romana”, uma luta de seis décadas em que os Papas (Pio IX, Leão XIII, S. Pio X, Benedito XV e Pio XI) nunca saíram do Vaticano (“prisioneiros do Vaticano”) para não entregarem à Itália o território atual do Vaticano.

A Igreja teve cerca de 37 antipapas; que foram papas ilegítimos eleitos após um Papa legítimo; isso ocorreu por parte daqueles (famílias influentes, cismáticos, hereges, imperadores, etc.) que desejavam fazer o Papa. Alguns antipapas foram: Hipólito (222-235), Novaciano (251-258), Eulálio (418-419), Lourenço (498-505), Dióscoro (530), Teodoro II (687), Pascoal I (687-692), Constantino II (767), Filipe (767), João VIII (844), Anastácio III (855) e João XVI (993).

Durante os 70 anos em que os Papas ficaram na França, em Avinhão (chamado de Cativeiro da França), houve antipapas: Clemente VII (1378-1394) e Bento XIII (1394-1423), que criaram o Cisma do Ocidente, o qual durou mais de 40 anos. Gregório XII (1406-1415) viveu o período mais triste do Cisma do Ocidente, quando houve três sedes papais: Ele, em Roma; Bento XIII, em Avinhão (1394-1423); e Alexandre V, em Pisa (1409-1410). Quando Alexandre morreu (1410), os cardeais de Pisa elegeram o antipapa João XXIII (1410-1415).

 

Diretório Catequese

 

Destaques da vida dos Papas

Há muitos fatos importantes na vida dos Papas. Vejamos alguns:

O Papa Melquíades (311-314) foi o primeiro a usar a residência papal no Palácio do Latrão, doado pelo imperador Constantino.

João I (523-526) foi o primeiro Papa a sair da Itália para ir ao Oriente (Constantinopla), e morreu mártir.

O Primeiro Papa a adotar um nome diferente ao ser eleito (seu nome original era o de um deus pagão, Mercúrio), foi João II (533-535). O último Papa a adotar o próprio nome foi Marcelo II (1555).

São Gregório Magno (590-604) foi o primeiro Papa monge e beneditino.

O último Papa reconhecido como mártir foi Martinho I (649-654).

Estevão II (752-757) foi o primeiro Papa a governar o Estado Pontifício.

Vários Papas foram assassinados, especialmente nos século IX e X: João VIII (872-882), Adriano III (884-885); Estevão VI (896-897); Leão V (903); João X (914-928); Sérgio IV (1009-1012); Bento VI (973-974); Urbano VI (1378-1389), Estevão XIII (939-942) e João XIV (983-984).

Estevão IV (816-817) foi o primeiro Papa a ungir um imperador.

Houve um Papa eleito aos 18 anos de idade: João XII (955-964).

O primeiro leigo eleito Papa foi Leão VIII (963-965), além de Bento VIII (1012-1024); João XIX (1024-1032); Bento IX (1032-1044;1045; 1047-1048)

João XV (985-996) foi o primeiro papa a canonizar formalmente um santo (Ulrico de Augsburgo, em 993) após um processo.

O Papa Alexandre III (1159-1181) decretou que era necessária a quantia de 2/3 para a eleição do Papa. São João Paulo II aprovou a eleição por maioria simples após 33 sufrágios.

Inocêncio V (1276) foi o primeiro a usar batina branca. O primeiro papa eremita foi Celestino V (1294). Bonifácio VIII (1295-1303) proclamou o primeiro Ano Santo, em 1300. Urbano VI (1378-1389) foi o último papa eleito sem ser cardeal.

Júlio II (1503-1513) foi quem encomendou projetos para a construção da atual Basílica de S. Pedro, no lugar da antiga.

Leão X (1513-1523) foi o Papa que excomungou Martinho Lutero. O último Papa não italiano, antes de São João Paulo II, foi o Papa holandês Adriano VI (1522-1523).

O Papa Clemente XIV (1769-1774) foi quem suprimiu a Companhia de Jesus (Jesuítas) em 1773. Os jesuítas foram reintegrados, em 1814, por Pio VII.

Pio XI (1922-1939) foi o primeiro Papa a usar o rádio para uma comunicação pastoral. O primeiro a usar a Televisão foi Pio XII (1939-1958). O primeiro a usar o avião: Paulo VI (1963-1978). O primeiro a adotar um nome duplo: João Paulo I (1978).

Referências Bibliográficas:

  • Rudolf Fisher – Wollpert, Léxico dos Papas, Ed. Vozes, Petrópolis, 1991.
  • Richard P. Mcbrien, Os Papas, Ed. Loyla, São Paulo, 1997.
  • Breves biografias de Todos los Papas, Lozzi Roma, Edizioni Turistiche, 2005.
  • Eamon Duffy, Santos e Pecadores – História dos Papas, Cosac & Naify Edições Ltda, São Paulo, 1998.
Com informações de Canção Nova – Por Professor Felipe Aquino

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Supomos que você esteja ok com isso, mas você pode optar por não usar os cookies, se desejar. Aceito

0
    0
    Seu Carrinho
    Seu Carrinho está VazioVoltar para a Loja
    Precisa de Ajuda?