Home Formação A vocação de catequista na Iniciação à Vida Cristã

A vocação de catequista na Iniciação à Vida Cristã

por Redação
A vocação de catequista na Iniciação à Vida Cristã
Compartilhe:

A inspiração catecumenal restaurada pelo Concílio Vaticano II retoma a ênfase na dimensão comunitária da fé. Na comunidade, as pessoas eram acolhidas, ouvidas em suas necessidades e acompanhadas durante o itinerário de sua formação na fé em Cristo. “Eram assíduos em escutar o ensinamento dos apóstolos, na solidariedade, na fração do pão e nas orações” (At 2,4). Assim, a comunidade era entendida como a primeira catequista.

 

Catequese.online

 

A Iniciação à Vida Cristã é um assunto de grande relevância e será debatido no Catequistas Brasil, evento que reunirá cerca de 3 mil catequistas nos dias 7, 8 e 9 de fevereiro em Aparecida -SP.

Ao longo do tempo, por várias razões eclesiológicas e pastorais, a comunidade (lugar dos membros iniciados nos sacramentos) perdeu sua vocação genuína de lugar de educação da fé. O aumento do número de batizados, a expansão do cristianismo nos países vizinhos e a descoberta do Novo Mundo, fizeram a comunidade cristã crescer em escala mundial.

Durante a expansão da fé cristã, a Igreja reconhece a importância significativa do catequista, enquanto pessoa que dá testemunho do seguimento de Jesus Cristo e coloca-se à disposição para acompanhar a caminhada de educação da fé dos membros da comunidade, motivando para a adesão convicta à proposta do Evangelho.

A educação da fé diante de novos desafios

Hoje, no contexto da Iniciação à Vida Cristã de inspiração catecumenal, a educação da fé encontra-se diante de novos desafios e pede posturas diferentes dos educadores da fé. Desta forma, como identificar a vocação de catequista que responda à urgência da ação evangelizadora? Como podemos crescer juntos na educação da fé de adultos, jovens, adolescentes e crianças?

A inspiração para nossas respostas pode partir da declaração do papa Francisco, por ocasião do Ano da Fé, durante a Jornada dos Catequistas, quando afirmou: “Quem é o catequista? É aquele que guarda e alimenta a memória de Deus; guarda-a em si mesmo e sabe despertá-la nos outros. É belo isto: fazer memória de Deus”.

À luz da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, podemos entender que a educação da fé na inspiração catecumenal dá-se por meio de uma catequese querigmática e mistagógica. Eis aí uma chave de leitura para compreendermos a vocação de catequista no contexto da iniciação à vida cristã de inspiração catecumenal.

Leia mais:
A família na catequese é parte essencial da iniciação cristã dos catequizandos

Catequista que faz memória de Deus

A fé é fruto de memória, de recordações de fatos e vivências que ficaram marcadas pela experiência com Deus. O Documento Catequese Renovada segue explicando: “O catequista dedica-se de modo específico ao serviço da Palavra, tornando-se porta-voz da experiência cristã de toda a comunidade. O catequista é, de certo modo, o intérprete da Igreja junto os catequizandos. Ele lê e ensina a ler os sinais da fé” (CR 145).

Fazer memória e educar a fé é ajudar a identificar, na correria dos tempos atuais, os lugares, os momentos e as iniciativas de Deus que continuam a visitar cada pessoa, despertando-as para a experiência de fé.

Catequista que vive o querigma

O querigma é o anúncio do Mistério Pascal, conteúdo central da fé: Jesus Cristo, filho de Deus, viveu entre os homens e mulheres de seu tempo, padeceu, morreu e ressuscitou (cf. At 10,37-43).

Ser catequista tendo o querigma como conteúdo central da fé significa: anunciar o amor livre e salvífico de Deus; acolher a pessoa e sua liberdade de escolha pela fé; propor a vida e a mensagem do Evangelho antes de qualquer pregação doutrinal ou obrigação moral; abrir-se à proximidade e ao diálogo; e compreender-se como instrumento da paciência de Deus que não condena, mas quer a misericórdia (cf. EG 165).

Catequista mistagogo

A inspiração catecumenal depende em qualidade da experiência mistagógica. Isto é, da experiência com o mistério divino, com aquele amor que se antecipa, que acolhe a humanidade em todas as fragilidades. O catequista mistagogo compreende que cada pessoa cresce progressivamente na experiência divina e valoriza os sinais e símbolos litúrgicos da iniciação cristã (cf. EG 166).

A vocação de catequista mistagogo não se aprende em livros, cursos e teorias. O catequista mistagogo deixa-se configurar pelo Mistério Pascal e faz da própria vida um percurso de experiência e testemunho deste mistério. Ou seja, a vida cotidiana é o lugar de manifestação da fé, onde é possível contemplar o mistério divino e transformar as realidades para que este mesmo mistério seja vivido por seus interlocutores.

Como mencionamos acima, a Igreja é rica em sua história, em suas iniciativas e em suas metodologias eclesiais, conforme a necessidade de cada época. O contexto atual, derivado da renovação conciliar, exige dos formadores de catequistas e das pessoas que estão no exercício das coordenações uma postura de curiosidade e coragem. Curiosidade para aprender, para deixar-se envolver pelo novo, pela mística catecumenal. E coragem para inovar, para ressignificar as estruturas e os métodos.

A formação de catequistas

Para contribuir com a formação de catequistas nesta primavera da inspiração catecumenal, dispomos de diversas produções literárias, dos conceitos e orientações da Doutrina e da interação entre Liturgia e Catequese. Além disso, a formação de catequistas depende em muito do apoio e da integração das lideranças e agentes de pastoral de nossas comunidades.

Concluindo, algumas exigências podem ser apontadas para a animação da vocação de catequista no contexto da inspiração catecumenal. A primeira delas é dar lugar à alegria que brota do Evangelho. Alegrar-se com a presença de Deus que nos visita em Jesus de Nazaré. Isto significa: centralidade da Palavra de Deus na catequese. Em segundo lugar, a exigência dos pequenos grupos, onde a sensibilidade e o afeto dão novo sabor à liturgia (momento de fazer memória em comunidade). E ainda, a exigência da martyria, que significa a prática da caridade, dedicando a vida aos menos favorecidos, às pessoas com menos oportunidades e às realidades que precisam da novidade da ressurreição. É a vivência da caridade que deixa as marcas da fé confessada.

Somos catequistas do novo dia, da vida nova!

Ariél Philippi Machado é Teólogo e Especialista em Catequese – Iniciação à Vida Cristã

*Texto publicado originalmente no site Catequese do Brasil, revisado pelo autor para a publicação no site Catequistas Brasil. 

 

Peregrinação Paulo Gil Home

Você também pode gostar

11 comentários

Genice 27 de janeiro de 2020 - 13:01

Ser Catequista é realmente uma Vocação que só permanece os que perseveram no seguimento do Mestre!!! Material riquíssimo para compreendermos o verdadeiro sentido da nossa Vocação. Já sou catequista a mais de 25 anos. Digo com firmeza que a Catequese é minha Vida. Amo ser Catequista. Amo ser porta voz de Jesus Cristo. Deus seja louvado por esta Pastoral tão Bela!!!

Resposta
Mara Vidal 27 de janeiro de 2020 - 22:03

Maravilhoso material🙏👏👏

Resposta
A 28 de janeiro de 2020 - 16:52

Como e imortante a preparaçao de um catequista

Resposta
Elzina de oliveira 29 de janeiro de 2020 - 06:08

Bom dia meu sonho é um dia realizo de ir no catequista Brasil amo ser catequista desde que fiz meu crisma min tornei catequista mas minha situação financeira hoje não min da está oportunidade mas acompanho tudo pelas redes sociais

Resposta
Como fazer o exame de consciência para me preparar para a confissão? 29 de janeiro de 2020 - 11:24

[…] Populares A vocação de catequista na Iniciação à Vida… 10 Super conselhos para ser um bom catequista! Liturgia Diária 2020 e seu Calendário […]

Resposta
Leni Viana Pereira 30 de janeiro de 2020 - 01:14

Maior aprendizado que poderíamos ter pois todos nós estamos em busca do melhor pra trabalhar com jovens e Crianças queremos ter um bom entendimento quando se trata de passar a palavra de Deus .

Resposta
Jucemar Goncalves Winter 1 de fevereiro de 2020 - 08:29

Gosto de estar sempre aprendendo

Resposta
Selma Mendes 2 de fevereiro de 2020 - 00:02

Quero saber como trabalhar com livro na catequese

Resposta
Terezinha Costa Torres. 4 de fevereiro de 2020 - 09:26

Amei o texto.
Sou animadora desse trabalho.
Amo o que faço.
Gostaria de aprender mais, sobre a catequese de iniciação a vida cristã para o adulto com acolhimento das adversidades.

Resposta
Terezinha Costa Torres. 4 de fevereiro de 2020 - 09:27

Gostei bastante do tecto

Resposta
Patrícia 15 de maio de 2020 - 09:22

Bom dia só catequista só da paróquia santa Teresinha do menino Jesus eu quero estudar teologia como faço pra estudar

Resposta

Deixe um comentário