Home Catequeses Trabalhando a catequese infantil sobre a Bíblia

Trabalhando a catequese infantil sobre a Bíblia

por Redação
catequese infantil sobre a Bíblia
Compartilhe:

Estamos nos aproximando do mês da Bíblia, mês em que a Igreja coloca em evidência a importância da Palavra de Deus na vida dos cristãos

Em todos os anos, no mês de setembro, celebramos com a Igreja Católica o mês da Bíblia. A leitura diária da Palavra de Deus, através de um estudo bíblico na catequese, nos faz colher muitos frutos de vida. A catequese infantil sobre a Bíblia é de extrema importância para que as crianças entendam a riqueza que a Palavra de Deus possui na vida dos cristãos.

 

Diretório Catequese

 

Por quê a Bíblia é importante?

A Bíblia é importante por causa de:

Jesus Cristo

Sem Jesus Cristo, a Bíblia não passa de um dos livros ultrapassados que por aí existem nos museus ou em uso nos mitos e superstições ou fossilizados.

Pode-se pretender que ela seja a Palavra de Deus. E é, mas a Palavra de Deus plenamente revelada por Jesus Cristo. Ele é a Revelação por excelência, a única Revelação do Pai;

Jesus é a Palavra do Pai

Diz-se que Jesus é a PALAVRA porque manifesta ou revela o Pai, tal como Ele mesmo o diz:

“Jesus lhe disse: “Filipe, há tanto tempo estou convosco e não me conheces? Quem me tem visto, tem visto o Pai. Como podes dizer: mostra-nos o Pai?” (Jo 14,9).

Também Paulo e João o dizem:

“Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda criatura…” (Col 1,15)

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus” (…) “Ninguém jamais viu a Deus. o Filho Unigênito, que está no seio do Pai, é quem o deu a conhecer.” (Jo 1,1.18).

Leia mais:
Texto para homenagear um catequista – Dia do Catequista

Utilize a catequese infantil para ensinar as crianças a manusear a Bíblia seguindo esses passos:

  1. Saber o Nome ou o Título do Livro – ver se o Livro está no Antigo ou no Novo Testamento;
    (oriente-se pelo índice). No índice, verificar a abreviatura do Livro.
  2. Número do Capítulo está sempre em tamanho grande, no início do capítulo do Livro.
  3. Número do versículo está sempre em tamanho menor, espalhado pelo meio do texto.
  4. Entre o número do capítulo e do versículo vai sempre uma vírgula.
  5. Se o texto abranger mais de um versículo, então separa-se a sequência dos versículos por um traço.

Às vezes encontramos um “s” ou dois “ss” depois do versículo. Quer dizer “versículo seguinte” ou “versículos seguintes”. Ou então, encontramos um “a” ou um “b” após o versículo. Indicam se é a primeira ou a segunda parte do versículo. Isso acontece quando o versículo é formado por uma ou mais frases.

O ensino da catequese infantil sobre a Bíblia por fases

INFÂNCIA: pelos 7-8 anos:

Características da idade: fase marcante no desenvolvimento humano; ainda muito concentrada no seu “eu”; sente enorme necessidade de estima, de amor; aberta à contemplação, à admiração; gosta de ouvir o silêncio; aprecia símbolos, a expressão corporal, os bichos, tudo o que é vida; gosta de saber fazer as coisas, de rir e brincar, de aprender e decorar.

Quanto à imagem de Deus: prevalece a imagem do Deus grande, forte, que tudo sabe e pode, justo, santo, bom: do Deus da criação e dos milagres.

Quanto à Bíblia: A criança está na fase de alfabetização: boa ocasião para apresentar-lhe a Bíblia como livro bonito, importante, que os homens apreciam mais que qualquer outro. Pode-se contar como é que ela apareceu na vida do povo, como ela continua sendo importante para as pessoas aprenderem a resolver seus problemas. Usar cartazes, desenhos, expressão corporal. Deixe que as crianças vejam, toquem, perguntem, deem palpite, façam.

Conte histórias de enredo curto, mantendo a tensão até o fim, narrativas simples, distinguindo claramente entre o bem e o mal. Evitar preconceitos a respeito de pessoas e tipos. O sofrimento e o mal, podem e devem ser abordados, mas de modo a inspirar confiança; a história terminará com a vitória do bem.

Cuidado com os aspectos chocantes da mentalidade infantil: histórias como a de Herodes (matança de bebês), de Caim (que mata o irmão), os pormenores da paixão de Jesus e outros textos semelhantes, são traumatizantes nesta idade. Enfim, narrativas bíblicas que impressionam negativamente a criança e amedrontam podem provocar antipatia pela Bíblia durante longos anos.

 

Peregrinação Paulo Gil Home

 

Sugestão de texto
  • Histórias de Abraão, Zaqueu, principalmente falemos de Jesus, amigo dos pobres e pequenos; de suas atitudes; de sua oração, de seus amigos.
  • Textos contemplativos: frases dos salmos e dos Evangelhos que exprimem alegria, louvor, agradecimento, confiança. Um salmo inteiro será cansativo demais, por isso, devemos escolher as frases mais falantes.
  • Textos sapienciais: dois excelentes repertórios são o Livro dos Provérbios e o Eclesiástico (não confundir com Eclesiastes que é muito pesado para essa idade).

FINAL DA INFÂNCIA: pelos 9-10 anos:

Características: viva, ativa; interessa por aventuras, viagens, ação; gosta de ler, de estudar, de aprender; está mais socializada, o que lha dá mais segurança; quer saber os porquês – se o fato aconteceu mesmo; quer coisas concretas (não está mais ligado à linguagem poética, lendas e fábulas).

Quanto à Bíblia: tempo favorável para boas informações sobre o livro: como foi escrito, quando, por quem, para que, diversidade dos escritos; informações sobre o povo, a terra, os costumes; tempo de familiarizar-se com nomes e lugares da Bíblia; tempo de manusear a Bíblia: saber encontrar livro, capítulo e versículo; agora, mais que o desenho, serão apreciadas a montagem e a colagem de figuras; a expressão corporal será substituída pela encenação – não mera repetição do texto, mas a sua atualização.

Sugestão de textos: deverão ser concretos, movimentados. Boa ocasião para aprofundar a vida adulta de Jesus. Nos Atos encontraremos bons textos sobre comunidades primitivas.

Fala-se de Deus criador, da sua grandeza, conforme a Bíblia nos fala, mas sem usar a linguagem simbólica própria do Gênesis 1 e 2. Esses textos são difíceis para essa idade. Eles exigem uma boa formação do catequista também. Mas, são textos para serem usados com os jovens e não com crianças. Por enquanto, fala-se de Deus criador sem usar esses textos.

Os relatos de milagres e as parábolas de Jesus, ao contrário do que em geral se pensa, não são os mais indicados. A criança pode ficar com uma imagem deturpada de Jesus, como se ele fosse um mágico, parecido com os dos desenhos da televisão.

Os livros de catequese mais atualizados não usam essas narrativas.

Leia mais:
Mês da Bíblia 2020: conhecendo melhor o livro do Deuteronômio

PRÉ-ADOLESCÊNCIA: pelos 11-12 anos:

Características: mundo infantil começa a desmoronar-se: questiona tudo; surge a consciência das próprias limitações; há uma nova volta para o próprio “eu”; é a época dos grupos solidários; da imitação dos adultos. Devido a uma série de fatores, principalmente os meios de comunicação social, está fase tem começado antes dos 11 anos.

Textos bíblicos: numa linha mais refletida, tomem-se as figuras de Jesus, Jeremias. Sendo assim, ainda não é tempo para anjos e demônios, lendas e insistência em milagres para não reforçar a mentalidade mágica, própria da idade.

Conversa com os catequizandos sobre a Bíblia

  1. Porque lemos a Bíblia?
  2. É correto ler a Bíblia e refletimos sobre o que foi lido?

Atividades:

Por Redação Catequistas Brasil

Assine Revista-desktop

Você também pode gostar

Deixe um comentário